Estado

Foto: Divulgação

Em reunião realizada entre o prefeito de Palmas, Carlos Amastha e o superintendente regional Centro Oeste da Infraero, Luiz Gustavo Schild, foi anunciado que Palmas será a primeira cidade brasileira a receber o sistema ELO - conectores climatizados que levam o passageiro da sala de embarque até o avião. A implantação da estrutura representa um investimento de cerca de R$ 6 milhões.

O ELO foi lançado pela Infraero durante a Feira de Turismo de Gramado (RS) no início do mês. De acordo com a empresa, o sistema é uma solução tecnológica inovadora desenvolvida em parceria com a empresa Ortobras (tecnologia nacional) para facilitar a locomoção dos passageiros.  Os módulos que compõem a estrutura, entre eles o Mamuth (módulo remoto de embarque acessível), devem ser instalados no Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues até o final do ano e a partir de 2014 em outros terminais.

De acordo com Schild, o sistema facilitará a locomoção dos passageiros. “O projeto proporciona acessibilidade, conforto e segurança durante o embarque nas aeronaves”. 

O superintendente ainda destacou outro investimento que está em andamento que é a construção do Terminal de Logística de Cargas, “nossa expectativa é realizar uma inauguração conjunta. Esses investimentos irão potencializar o desenvolvimento da cidade e região, impulsionando outros pontos fortes da cidade, como o projeto de mobilidade, a localização estratégica e o Parque Tecnológico que será implantado”.

O prefeito Carlos Amastha considera o anúncio uma conquista para a Capital. “Além de ser um benefício direto para os passageiros, esse investimento impulsiona a estrutura aeroportuária o que propicia a atração de novas empresas, o que casa com as ações inseridas no planejamento que temos construído para o desenvolvimento da cidade”.

Projeto


O ELO é formado por corredores que ligam o terminal de passageiros ao avião, no mesmo nível do solo. Esses conectores contam com escada e elevadores para as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. As estruturas são móveis e, por isso, permitem que os módulos sejam fixados entre si e posicionados de acordo com a configuração da área destinada à circulação e ao estacionamento de aviões em cada aeroporto.

A implantação do ELO é simplificada e não afeta a rotina dos aeroportos, uma vez que, não exigem obras de grande porte. Basta definir suas posições e montar o equipamento. Outra virtude do ELO que foi levada em consideração no seu desenvolvimento é que ele é modular, podendo acompanhar o planejamento do aeroporto, adaptando-se a eventuais mudanças. (Com informações da Infraero)