Cultura

Foto: Divulgação

Começou nesta segunda-feira, 9,  a 12ª edição do Festival Chico. Com atividades na Universidade Federal do Tocantins (UFT) e no Sesc em Palmas-TO, o evento segue até sábado, 14, e oferece 52 horas de programação cultural gratuita. Através do CANNE/Fundaj, 25 agentes culturais participarão de curso em produção executiva com 40 horas de duração e certificado de instituição vinculada ao MEC. Painéis dialógicos com realizadores convidados e 5 exibições audiovisuais completam mais 12 horas de atividades.

Sobre a programação, o coordenador Marcelo Horst destaca que “A parceria firmada desde 2011 entre o CIM e o CANNE viabilizou a realização de 5 cursos avançados de produção audiovisual em Palmas. Ao todo, cerca de 120 pessoas foram capacitadas. Acreditamos que agregar o curso de produção com Maria Ionesco ao Chico em 2013, no cenário acadêmico da UFT, consista numa articulação relevante”. 

Programação

O longa documentário “Rio Ano Zero” (Brasil/França 2013), da diretora Aude Chavalier-Beaumel, marca a abertura oficial do Festival Chico 2013, com exibição às 20 horas na UFT, 10.  Também convidado, o doc de Daniela Broitman “Marcelo Yuka no Caminho das Setas” conclui o evento no dia 14, e, baliza os diálogos sobre documentário e ativismo ao lado de “Rio Ano Zero”.  

As exibições audiovisuais contemplam 19 curtas e 2 longas, com sessões na UFT (dias 10, 11 e 14) e no Centro de atividades do Sesc (dias 12 e 13). Na quarta, 11, a sessão da mostra competitiva é livre e receberá escolas da rede estadual. Juliane Almeida, curadora do festival em 2013, comenta que “Esta sessão vespertina na UFT conta com vídeos de 6 estados diferentes: Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás, Distrito Federal e Rio de Janeiro. É uma janela  valiosa para o público infanto-juvenil”. 

Nos dias 12 e 13, a mostra competitiva segue com sessões no Sesc à noite. “Estas são exibições adultas, 16 anos. Documentários na quinta e ficção na sexta. Rio de Janeiro, Espírito Santo, Ceará e Tocantins participam com um vídeo cada, Goiás com dois e São Paulo com sete”, finaliza. 

A Proex/ Universidade Federal do Tocantins e a Fundação Cultural de Palmas são parceiros da 12ª edição do Festival Chico, que conta também com o apoio cultural da  Fundação Joaquim Nabuco, da Secretaria de Estado da Educação e Cultura, Secretaria da Comunicação de Palmas e Serviço Social do Comércio do Tocantins. Fórum dos Festivais e Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas estão dentre as colaborações associativas. 

Fernanda Veloso, presidente do CIM, atesta que “A maioria dos parceiros do Chico colabora há quatro anos ou mais junto ao festival. Desde 2008, o Centro de Imagem e Som realizou seis edições anuais do Chico, agregando um público de aproximadamente 8 mil pessoas. É o esforço dos agentes, colaboradores e apoiadores que o mantém vivo”.