Polí­tica

O prefeito da capital, Carlos Amastha (PP) reagiu por meio de sua conta no microblog Twitter contra o deputado pevista, Marcelo Lelis e os vereadores Joaquim Maia, do mesmo partido, e Iratã Abreu (PSD), que estão coletando assinaturas contra a aprovação da nova planta de valores genéricos dos imóveis da capital. A intenção dos oposicionistas é ingressar com uma Ação Judicial, contra a Prefeitura de Palmas em razão da alteração na planta. O projeto foi aprovado dia 31 de dezembro de 2013 e teve seis votos contra.

Na última sexta-feira, 3 de janeiro, a Prefeitura de Palmas informou por meio de nota que não houve reajuste de alíquotas do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU). Segundo a prefeitura apenas os valores dos imóveis é que foram adequados à realidade.

“Que discurso covarde."Abaixo assinado contra o aumento absurdo do IPTU". Manda para mim, também assino. Mentirosos. Iludindo a boa fé do povo”, afirmou o prefeito. O gestor ainda ironizou: “Vou fazer um (abaixo assinado)."Você é a favor de desonerar 40% dos imóveis residenciais de pessoas de baixa renda e cobrar dos grandes especuladores e vazios?" e completou "o que tiver de vida, forças e dinheiro vou usar para acabar com a velha política dessa cidade. Palmas merece coisa muito melhor. Não abro mão. Porque não abrem mão do sigilo fiscal e me autorizam divulgar para o povo o valor do IPTU que pagam, quando pagam, nas suas mansões? Esperando”, desafiou o gestor.

O pepista ainda continuou a ironizar: “Acho que vou na feira da 33 para assinar contra o absurdo aumento do IPTU dos especuladores, terrenos vazios e mansões que não pagam. Babaca”, disse.

Amastha está licenciado da Prefeitura de Palmas esta semana e só retorna dia 12 deste mês. O gestor argumentou ainda que não houve necessidade de audiência pública sobre o projeto que foi aprovado. “É um trabalho técnico. Todos os interessados foram convidados para participar”, disse.