Polí­cia

Foto: Divulgação

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC) concedeu, na tarde desta segunda-feira, 27, uma entrevista coletiva onde foram revelados os detalhes da "Operação Parati”, que resultou na prisão de cinco pessoas suspeitas de formar uma quadrilha que explodiu e roubou caixas eletrônicos da agência bancária do Banco do Brasil de Brejinho de Nazaré.

Na manhã desta segunda em Palmas, quatro mandados de prisão foram expedidos pelo Juízo da Comarca de Porto Nacional, em desfavor de Cícero da Silva Pereira, vulgo “Totó”, 32 anos de idade, Raielson Soares da Silva, Osires Silva Brito, Auricel Cardoso da Silva e Deuseli dos Santos, 33 anos de idade. De acordo com os delegados, Liliane Amorim Albuquerque e Evaldo de Oliveira Gomes, responsáveis pela operação.

Os cinco são suspeitos de integrarem uma quadrilha de roubo a bancos que realizou a explosão da agência do Banco do Brasil, em Brejinho de Nazaré, município localizado a 116 quilômetros da capital, no dia 31 de outubro de 2013. As investigações tiveram início logo após o crime, sendo possível identificar a maioria dos autores, cinco deles foram presos. Na oportunidade também foram cumpridos doze mandados de busca e apreensão nas residências dos suspeitos, bem como em estabelecimentos comerciais que serviam de apoio para o bando.

As investigações realizadas pela DEIC também apontaram que alguns dos integrantes da quadrilha que eram do Tocantins, ficavam responsáveis pela parte logística dos crimes, ou seja,  realizavam os levantamentos a respeito do número de policiais existentes nas cidades alvo e se os caixas eletrônicos haviam sido abastecidos. Eles também cuidavam do fornecimento de armas, munições, pontos de apoio e rotas de fuga, bem como forneciam os veículos utilizados nas ações criminosas.

Ainda segundo a Polícia Civil, alguns dos presos tinham participação em ocorrências do mesmo tipo, em outras cidades do Tocantins. Durante ações policiais foram apreendidos um veículo modelo Parati de cor prata, utilizado no roubo em Brejinho, bem como um televisor de 32 polegadas e um aparelho de ar condicionado, ambos de origem criminosa.

Há alguns dias, Francisco de Assis da Silva Lima, vulgo “Cacique”, também acusado de envolvimento com o roubo ao Banco de Brejinho de Nazaré, foi preso em Imperatriz no Maranhão. A DEIC informou que as investigações foram intensificadas, no sentido de localizar e prender os demais integrantes da quadrilha, que ainda se encontram foragidos. (Ascom SSP)