Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado federal Junior Coimbra, o ex-governador Carlos Gaguim, ambos do PMDB, junto com um grupo de 40 pessoas, começa neste final de semana a percorrer os municípios buscando movimentar a base através de uma ação de pré-campanha. Coimbra é pré-candidato ao Governo do Estado do Tocantins e Gaguim ao Senado. No grupo estarão ainda pré-candidatos a estadual e federal como o empresário Dito do Posto e o deputado José Augusto Pugliese.

Em visita ao Conexão Tocantins na manhã desta quarta-feira, 29, o deputado contou como vai funcionar sua comitiva além de como pretende aumentar sua aceitação nos municípios. “ Este final de semana vamos percorrer 13 municípios e só nesse primeiro mês serão 50 municípios dessa região mais próxima a Palmas”, frisou. Na agenda nos municípios estão reuniões com líderes do PMDB bem como outras lideranças comunitárias. Em três meses o grupo quer percorrer os 139 municípios percorrer os 139 municípios em três meses e fechar em abril essa fase de pré-campanha. O percurso em algumas vezes será feito de avião.

Os recursos que vão custear a caravana, segundo Coimbra, são dele mesmo e dos pré-candidatos do grupo. Coimbra garantiu que não serão usados recursos do partido porque o fundo partidário está suspenso e as despesas básicas do diretório são custeadas pela nacional.

Questionado se a intenção é concorrer internamente no PMDB com a pré-candidatura do ex-governador Marcelo Miranda e ainda da senadora Katia Abreu que também pretendem disputar o Governo e o Senado pelo partido, ele frisou que sua intenção é fazer seu trabalho. “Vou fazer meu trabalho independente da situação dos outros e principalmente com relação à elegibilidade ou não do Marcelo. Não estou preocupado com essa situação. Meu objetivo é chegar em junho em melhores condições que a dele (Marcelo Miranda)”, disse.

Coimbra reconheceu que Marcelo lidera hoje as pesquisas mas frisou que o critério para escolha dos candidatos será a aceitação da população. “Ele lidera pesquisas de opinião pública e entendo que quem escolhe o candidato é o povo. Quando chegar em junho as candidaturas estarão definidas pelo povo”, frisou.

O deputado que ainda é presidente regional do partido deixou claro que  o PMDB não abre mão das vagas de governador e senador. Os partidos que são cogitados para uma aliança com o partido são PSD e PV. Coimbra cogita também a possibilidade do PT agregar ao grupo. “O PT vem com coligação nacional amarrada com o PMDB e há uma discussão que também deve ser feita de cima para baixo. Como a presidente Dilma vai vir no Tocantins com dois palanques? Há um interesse nacional também”, frisou.

Divergências

O deputado comentou ainda a situação do partido atualmente após um ano inteiro de divergências na legenda que teve como principal polêmica uma suposta aproximação de Coimbra do governo estadual. “Isso daí foi um marketing viral contra mim. A única aproximação que tive com o governo foi na eleição municipal de 2012 quando o PMDB fez coligação com o governo”, frisou. Sobre o clima atualmente no PMDB ele afirmou: “Temos nossas divergências mas até junho temos que nos acertar”, disse.

Coimbra comentou também a declaração do prefeito Carlos Amastha (PP) no evento do PT na última sexta-feira de que, se o PMDB se livrar da senadora Katia Abreu (a quem se referiu como câncer), poderia pensar numa possível aliança com o grupo de partidos que compõem a terceira via. “Não vejo com bons olhos essa declaração do prefeito nesse sentido. Problema do partido cada um resolve o seu”, frisou. Segundo Coimbra afirmou mesmo com os vereadores do partido dando suporte para a gestão do prefeito Carlos Amastha ele não tem nenhum vínculo nem compromisso político com a gestão municipal.

Propostas

Coimbra fez também uma avaliação do atual governo estadual e avaliou a gestão como a pior de todas que o governador Siqueira Campos já fez. “Esse governo conseguiu se superar nas ruindades e dificuldades em outras gestões”, frisou. Para o deputado as principais áreas da gestão – saúde, educação, habitação, Segurança Pública e Infraestrutura – estão decadentes em todos os sentidos. “As farmácias dos hospitais estão desabastecidas, o número de leito é inferior às demandas. A saúde é catastrófica. Os números da saúde são horríveis. Sou a favor de voltar a funcionar os hospitais de pequeno Porte e começar a construir os hospitais que ainda estão só no papel”, criticou.

Para o deputado o governo precisa aumentar a parceria com os municípios para que os hospitais municipais funcionem plenamente. O problema geral do governo, segundo o deputado, é a falta de planejamento. “Falta planejamento e com o Junior Coimbra governador vamos saber usar e fazer ações planejadas”, frisou.

Outra área que, segundo o deputado, precisa de mais incentivo é a ambiental. “O meio ambiente está 100% abandonado e é uma área que tem que ser totalmente revitalizada e na minha gestão se eu for eleito terá respaldo”, disse.

Coimbra ainda chamou atenção também para a necessidade de mais incentivo fiscal para empresas que queiram se instalar no Estado. “Não podemos deixar o Tocantins que tem ferrovia e ficarmos apenas ouvindo o apito do trem. Temos que dar condições de agregar o produto e ele sair pronto”, frisou.