Polí­tica

Foto: Cláudio Frascari Senadora Kátia Abreu e deputado federal Ronaldo Caiado Senadora Kátia Abreu e deputado federal Ronaldo Caiado

Tomou posse como presidente reeleita da Federação da Agricultura e Pecuária do Tocantins (Faet) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Tocantins (Senar), a senadora Kátia Abreu (PMDB), juntamente com toda a Diretoria, o Conselho Fiscal e a Suplência da Faet eleita para o triênio 2014/2016. O evento aconteceu no último sábado, 1º de fevereiro, em Gurupi. 

A solenidade fez um verdadeiro registro dos 20 anos da trajetória de líder classista da senadora Kátia Abreu, que teve início em 1994, quando foi eleita presidente do Sindicato Rural de Gurupi, sendo a primeira mulher a assumir este cargo no país, além de também ter sido a primeira mulher a eleger-se presidente de uma Federação de Agricultura no país e também a primeira a presidir a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), se tornando um marco na história classista nacional.

Acompanhada de grandes personagens da agropecuária tocantinense e nacional, Kátia Abreu entregou placas de agradecimento aos membros da Diretoria do Sindicato Rural de Gurupi, da gestão de 1994/1996, e também para algumas pessoas que colaboraram com a formação e eleição daquele sindicato. 

Com a presença dos presidentes das federações da agricultura e pecuária dos estados do Amazonas, Muni Lourenço Silva Júnior; do Goiás, José Mário Schreiner; da Paraíba, Mário Antônio Pereira Borba, e do ex-ministro da Previdência Social Roberto Brant, a senadora Kátia Abreu recebeu uma homenagem do deputado federal Ronaldo Caiado: “Esta homenagem para a Kátia Abreu é uma homenagem dos produtores rurais do Brasil de reconhecimento e gratidão pela sua coragem e competência durante os 20 anos de dedicação e compromisso com a agropecuária do Tocantins e do Brasil”, disse o deputado.

Em seu pronunciamento, Kátia Abreu destacou a mudança na vida das pessoas provocada pela revolução agrícola. “Nestes 20 anos de uma vida dedicada ao setor agropecuário, percebi com mais clareza os efeitos da revolução agrícola brasileira sobre as novas configurações de nossa sociedade. Fala-se sempre, e eu também, dos avanços da produção e da produtividade do setor rural, da expansão de nossas exportações do agronegócio, da nossa participação no PIB e no emprego. Mas a agricultura foi principalmente progresso social. O bem maior que a revolução agrícola brasileira realizou não foi na economia, por maior que tenha sido. Foi na condição social dos brasileiros”, disse a senadora, agradecendo a apoio que sempre recebeu dos líderes do setor no Tocantins, onde tudo começou.

Eleição

A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Kátia Abreu, foi reeleita presidente da Faet/Senar, por unanimidade, no dia 25 de outubro do ano passado, e atualmente é uma das mais fortes e reconhecidas lideranças ruralistas do País.