Meio Ambiente

Foto: Divulgação

Com intuito de viabilizar a gestão sustentável da microbacia hidrográfica do Rio Providência, na região de Miranorte, o Governo do Estado está finalizando a contratação de uma consultoria que fará o diagnóstico de fatores físico, biótico e socioeconômico da bacia. O processo está a cargo da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semades) e será financiado pelo Banco Mundial, por meio do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins (PDRIS).

A consultoria será responsável por elaborar um plano de ações que oferecerão alternativas para um aproveitamento racional, sustentável e integrado do Rio Providência e seus afluentes. A elaboração do projeto também prevê a realização de consulta pública para discutir os problemas e as potencialidades dos recursos hídricos disponíveis na região.

Segundo a engenheira ambiental da Semades, Raquel Vieira do Amaral, o estudo é importante para aliar a conservação com a produção agrícola que depende dos rios. “Essa região foi escolhida porque se trata de um local com grande expansão da área agrícola e isso traz uma preocupação com a degradação dos solos e a má conservação dos rios”, explica.

Ainda de acordo com a engenheira, o projeto vai propor atividades que visem facilitar a implantação e acompanhamento do plano de ações, além de medidas para avaliação e monitoramento do próprio projeto. Após a contratação, a empresa terá um prazo de quatro meses para a realização do serviço.

Microbacia do Rio Providência

A microbacia do Rio Providência está localizada na região Central do Estado, dentro dos municípios de Miracema do Tocantins, Barrolândia e Miranorte, e faz parte da Bacia do Rio Tocantins. Tem sido bastante utilizada na captação de água para irrigação agrícola, principalmente da cultura de abacaxi.

Dessa forma, a qualidade e quantidade de água disponibilizada pelo Rio Providência vêm sofrendo uma alteração nos últimos anos. A implantação de um Projeto de Gestão Sustentável na microbacia visa garantir a manutenção das atividades econômicas e a possível instalação de novos empreendimentos.