Polí­cia

Foto: Divulgação/Ascom SSP

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia de Itacajá, desvendou o homicídio do qual foi vítima Domingos Tavares da Silva, 25 anos. De acordo com o delegado Joelberth Nunes de Carvalho, o bárbaro crime foi praticado no dia 29 de dezembro de 2013 por Ivan de Sousa Ribeiro, 23 anos, Elieldon Almeida Ferreira, 28 anos e Ismael de Sousa Lino, 19 anos. Segundo apontaram as investigações, à vítima antes de ser morta a pauladas, foi estuprada e teve seu corpo enterrado em uma cova rasa na região próximo a uma carvoaria, cerca de doze quilômetros da localidade conhecida como Donzela, zona rural de Itacajá.

As investigações foram iniciadas no dia 11 de fevereiro de 2014, quando o delegado recebeu um telefonema anônimo, informando que no local acima mencionado, havia ocorrido um homicídio e que os autores antes de assassinar a vítima, teriam praticado abuso sexual. Dois dias após o crime, eles teriam enterrado o corpo e cerca de um mês depois, voltaram ao local e tiraram fotos com o crânio da vítima.

Na manhã do dia seguinte, as equipes policiais dirigiram-se até o local do suposto crime e lá encontraram Ivan e Elieldon, que eram os únicos que ainda se encontravam trabalhando na carvoaria e foram apontados como suspeitos em potencial.

A PC foi informada que um dos funcionários havia guardado um saco com pertences da suposta vítima. Nas buscas foi encontrado o saco e em seu interior havia uma carteira e a identidade de Domingos, que encontrava-se desaparecido desde o dia 29 de dezembro de 2013.

 Como Ivan e Elieldon insistiam em dizer aos policiais que não sabiam do paradeiro da vítima, foi determinado que eles fossem até o local onde teriam visto Domingos com vida pela última vez. Neste meio tempo, os policiais foram informados por um outro funcionário da carvoaria que, em um determinado dia, ele estava caminhando com seu cachorro quando o animal apresentou um comportamento estranho, adentrou na mata e começou a latir incessantemente.

O delegado solicitou que outro policial fosse até o local indicado e quando ele retornou, contou que adentrou cerca de 20 metros dentro da mata e encontrou um local cuja terra estava removida e sobre ela havia um osso semelhante ao de uma costela e dois ossos menores semelhantes aos de dedos.

Durante as investigações, Ismael, um dos últimos que também havia tido contato com a vítima, apareceu na carvoaria para pegar sua carteira de trabalho e também passou a ser questionado a respeito do crime. Após serem alertados pelo delegado de que os três elementos poderiam ser responsabilizados criminalmente pela morte de Domingos, Elieldon tentou imputar o crime a outros três homens, fato que foi confirmado por Ivan e Ismael.

Com a nova informação, os seis suspeitos, que tiveram o último contato com a vítima, foram conduzidos à Delegacia e após o interrogatório, foram liberados, porém tiveram a prisão temporária decretada.

Alguns dias depois, ao verificar o cartão de memória do celular de um dos suspeitos, o Delegado encontrou dezesseis fotos bizarras, as quais mostravam Ivan e Elieldon brincando com um crânio humano. No dia 18 de fevereiro, Ismael retornou à delegacia e contou outra versão ao Delegado, imputando a autoria do homicídio aos outros dois homens, mas como já havia solicitado a prisão temporária, o Delegado esperou o decreto judicial e conseguiu prender todos os 06 (seis) suspeitos.

O Crime

Depois de alguns dias de levantamentos, diligências e intenso trabalho investigativo, a PC descobriu que no dia 29-12-2013, por volta das 20h00min, após retornarem de uma bebedeira no Povoado Donzela, antes de matar Domingos, 02 dos autores abusaram sexualmente da vítima. Logo depois os três o levaram para dentro da mata, pois a vítima estava desacordada e utilizando-se de um pedaço de pau, o golpearam repetidas vezes, ocasionando sua morte.

Depois de dois dias, Ivan e Elieldon voltaram, enterraram o corpo do jovem e no início de fevereiro, retornaram ao local e pegaram seu crânio, que se encontrava fora da cova e tiraram 16 fotos com ele.

Com base nas investigações, o Delegado de Itacajá irá representar pela conversão das prisões temporárias de Ivan, Elieldon e Ismael, em prisões preventivas. Ele informou ainda que outras testemunhas estão sendo ouvidas e que o inquérito deverá ser finalizado na próxima semana.

Os três autores responderão por homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, sem possibilidade de defesa da vítima e meio cruel. Ivan também responderá por ocultação de cadáver, Elieldon e Ismael responderão ainda por ocultação de cadáver e estupro.

A Polícia Civil apurou também que os autores pretendiam vender a caveira de Domingos no Estado do Maranhão, mas mudaram de ideia e decidiram queimá-la em um dos fornos da carvoaria que trabalhavam. Eles também ameaçaram de morte todas as testemunhas do bárbaro crime.

Após os procedimentos legais, os elementos foram encarcerados na Cadeia Pública de Araguacema, onde permanecerão a disposição do Poder Judiciário. (Ascom SSP)