Educação

Foto: Divulgação

Os trabalhadores em educação da rede pública estadual de ensino deflagraram greve nesta terça-feira, 18, durante assembleia geral realizada em Palmas. Por unanimidade a categoria rejeitou a proposta do governo estadual em adiar para o dia 31 de março a decisão final sobre os principais pontos da revisão do Plano de Cargos Carreira e Salários da categoria.

O plano foi revisado por uma comissão e está pronto desde janeiro de 2013 para ser votado, porém o governo engavetou o projeto. O projeto prevê a equiparação entre professores normalistas – PRONOS progredidos na carreira e professores da educação básica – PROEB, que têm uma diferença de salário de 20% maior para este último.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Tocantins (SINTET). A categoria busca ainda a correção salarial de acordo com os índices reajustados do Fundeb, o pagamento do reajuste da data base previsto para 1º de maio, regularização dos repasses financeiros às escolas que vêm sofrendo com a falta de recursos, a municipalização das séries iniciais que do jeito que foi implantada está deixando professores sem lotação, o enquadramento do pessoal administrativo das escolas ao Plano de Cargos e Carreira – PCCR, eleição direta para diretor de escola e, segundo o sindicato, o fim da interferência política nas mesmas.

A categoria quer também a resolução definitiva dos servidores remanescentes de Goiás que mesmo no Igeprev estão com dificuldades para se aposentar, além do pagamento do retroativo das progressões do edital de 2012, prometido para janeiro e não concedido pelo governo.

A proposta do governo foi de pagar parceladamente o retroativo das progressões em 6 vezes a partir de junho deste ano, finalizar o estudo da análise do Plano de Carreira no prazo de 10 dias (data final dia 31.03), além de discutir o restante da pauta. “O nosso plano de carreira está engavetado desde janeiro de 2013, uma comissão formada com integrantes do governo e do sindicato trabalharam nessa revisão durante todo o ano de 2012 para nada?” disse indignado o presidente do  Sintet, José Roque Rodrigues Santiago.

Para José Roque há má vontade e desrespeito do governo com a categoria dos educadores. “Temos o pior plano de carreira entre todas as categorias de servidores, escolas de tempo integral sem a mínima condição de funcionar como tal, interferência política nas escolas com perseguição a servidores e professores, a municipalização das séries iniciais foi feita pela atual gestão de forma abrupta sem discutir com a categoria nem com a comunidade, deixando diversos professores sem lotação, estamos buscando a negociação desde o ano passado e o governo só enrola” completa o presidente.

Em respeito à Lei Geral de Greve, que estipula o prazo de 48 horas para poder paralisar os serviços, além do feriado em Palmas, os trabalhadores da educação cruzam os braços na próxima segunda-feira, 24 de março, por tempo indeterminado.