Estado

Foto: Divulgação Fabio Vaz, prefeito de Palmeirópolis condena medida Fabio Vaz, prefeito de Palmeirópolis condena medida

Insatisfeitos e preocupados com a notícia do fechamento de nove comarcas no Estado, prefeitos das cidades de Jaú do Tocantins, São Salvador e Palmeirópolis farão uma mobilização junto ao Tribunal de Justiça nesta quinta-feira, 20, pedindo que tal ação não ocorra.

“ Palmeirópolis é uma cidade pólo na região e concentra vários municípios. O judiciário é muito presente da forma como o atendimento vem sendo feito e essa mudança vai impactar muito além disso tem o fator econômico também porque o funcionamento dessa comarca movimenta também a economia da cidade”, frisou o prefeito Fabio Vaz de Palmeirópolis em entrevista  ao Conexão Tocantins. O gestor definiu tal cogitação como um retrocesso. " Isso não pode acontecer, é um retrocesso para a região", reiterou.

Servidores da Comarca também estão na capital onde junto com o Sindicato dos Serventuários da Justiça pretendem mobilizar o Tribunal para que o fechamento não aconteça.Os prefeitos serão ainda recebidos no Tribunal de Justiça por alguns membros da Comissão que analisa a reestruturação do órgão. A mobilização envolve também deputados estaduais que também não concordam com a medida. Um pedido de informações foi aprovado pela Casa de Leis para que a presidente Angela Prudente explique detalhadamente a intenção do judiciário.

Conforme o Conexão Tocantins já informou o fechamento de nove comarcas no Estadp já gera polêmica entre os Sindicatos da área bem como na Assembleia Legislativa.Uma Comissão Especial designada pelo Tribunal de Justiça está elaborando a minuta do anteprojeto do Código de Organização e Divisão Judiciária do Estado do Tocantins – COJE que a modernização da estrutura do Poder Judiciário, objetivando a melhoria dos índices de eficiência sem a subtração de direitos, mas apenas equalizando a distribuição da carga de trabalho, segundo o órgão.

O TJ informou que as alterações estão em fase de estudo.

Dentre os Sindicatos como reafirmou o presidente do Sindicato dos Serventuários e Servidores da Justiça, Janivaldo Ribeiro, a preocupação é com a mudança no regime remuneratório bem como a transferência de servidores.