Empregos e Serviços

Foto: Divulgação

Ainda sem uma solução definitiva para o problema da falta de pagamento das gratificações, o Sindicato dos Profissionais da Enfermagem do Estado do Tocantins (Seet) quer que o governador interino, Sandoval Cardoso, resolva a situação provocada pelo seu antecessor, Siqueira Campos. Há vários meses a categoria vem cobrando o repasse dos benefícios em atraso.

De acordo com o presidente do Seet, Ismael Sabino da Luz, desde 2012 os servidores da enfermagem estão sem receber progressões e adicional noturno. Valores retroativos dos profissionais que ficaram de fora da tabela de progressão antes da revisão e aprovação do PCCS da Saúde e as gratificações para os servidores que trabalham nos setores de Urgência e Emergência dos 19 horas em setor de Guem (Urgência/Emergência).

A Guem – Gratificação de Urgência e Emergência é atribuída aos enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliares, que também beneficiados com a Guti (Gratificação de Exercício em Unidade de Terapia Intensiva, Gneo (Gratificação de Unidade Intermediaria Neonatal). Isso, para os profissionais admitidos em concurso públicos. Os demais contratados ou nomeados, segundo o Seet, não estão recebendo, contrariando a publicação em Diário Oficial 3.782 a Lei 2692 de 21 de Dezembro de 2012, adicionando os plantões extras, que, ainda segundo o Seet, vem sendo sistematicamente pagos com atrasos de até seis meses.

“É um assunto exaustivo e que o governo precisa tomar providências. Os profissionais estão insatisfeitos com a falta e a demora desses repasses. Benefício já garantido”, disse o presidente. O presidente também quer explicações do governador interino que afirmou que o aumento concedido para outras categorias não impactaria na folha de pagamento do governo.

“Então porque não nos paga. A enfermagem é composta pelos únicos profissionais que trabalham 24 horas por dia. Merecemos mais respeito!. Assim solicitamos que em caráter de urgência que sejam concedidos os direitos aos servidores representados pelo Seet, que já trabalharam e aguardam a renumeração de seu serviço prestado a este Estado”, finalizou Ismael. (Ascom Aldeia Comunicação)