Esporte

O ex-presidente do Palmas, Donizeti Aparecido Pedro da Silva, reagiu às declarações do presidente da Fundação de Esporte de Palmas, Tenente Cleyton Alen que o desqualificou e disse que ele só quer atrapalhar o time. “A vida do Palmas sou eu, falo por conhecimento de causa, sou conselheiro vitalício e fui presidente cinco vezes. Não pretendo acabar com o Palmas e sim que ele continue cada vez melhor”, frisou.

Pedro levantou toda a polêmica quando afirmou ao Conexão Tocantins que o time estaria irregular pois não teria registrado a ata da eleição do Conselho Deliberativo e fiscal e a partir daí foi criticado por vários membros do time. “No meu último mando fiquei dois anos sem apoio de governo nem de município. Recuperei o Palmas com minhas próprias pernas”, disse. Segundo Pedro, ele foi responsável por retornar o time para a primeira divisão sem apoio público e apenas com ajuda de empresários.

O ex-presidente questionou a falta de acesso às contas do time e principalmente à folha de pagamento. “O estatuto do clube diz que a Diretoria Executiva tem que prestar contas de três em três meses (ao Conselho Deliberativo) e isso não não está acontecendo. Qual o interesse do Palmas não ter conselheiro?”, frisou.

Pedro disse que é preciso saber qual o valor da folha de pagamento mensal do time. “Não falam quanto é a folha do atual elenco do Palmas. Não prestam contas e outra coisa a dívida do time hoje é de R$ 2 milhões e meio”, frisou. Outra acusação de Pedro é que o Palmas estaria deixando as ações trabalhistas correr à revelia. “Nem advogado o Palmas tem para cuidar das dívidas trabalhistas e os processos estão á revelia”, frisou.

Além de Cleyton Alen, o presidente do Palmas, Richard Sanches também desqualificou o ex-presidente e se negou a mostrar a ata de registro da eleição do Conselho Deliberativo, segundo ele, porque Pedro “nem merece resposta”.

Questionado sobre a suposta dívida do Palmas, em que Pedro cita ser de R$ 2 mi, Richard Sanches disse ao Conexão Tocantins na tarde desta quinta-feira, 08, que “se ele fala isso é interessante que ele mostre o que ele está falando, onde que está a dívida, quando foi gerada essa dívida, eu não tenho declaração alguma para dar”, afirmou ele, que em seguida disse que vai se manifestar somente via assessoria quando for necessário.

Doação de materiais

Outra acusação de Pedro é que a Fundesportes estaria doando materiais para outros municípios. “O secretário de Esportes de Cristalândia confirmou que ganhou duas bolas da Fundesportes. Isso é crime de peculato tirando do estoque da Prefeitura para dar para outra cidade”, acusou. Segundo informações, uma representação está sendo cogitada para ser protocolada no Ministério Público para questionar tais doações que teriam sido feitas.