Polí­tica

Foto: Irene Alves

Com o total apoio e presença dos diretores das escolas de Palmas, a secretária da Educação, professora Berenice Barbosa, e o secretário executivo da pasta, André Vitral, participaram, na manhã desta quinta-feira, 15, da sessão legislativa na Câmara Municipal de Palmas. Na ocasião, os gestores entregaram aos parlamentares o relatório que comprova o repasse de verbas da merenda escolar em abril, esclarecendo os questionamentos levantados pelo vereador Júnior Geo. Após reunião com os gestores, o vereador disse que iria retirar a denúncia contra a pasta junto ao Ministério Público Federal (MPF).

A decisão de retirar a denúncia foi apoiada pelo presidente da Casa, Major Negreiros, pelo vereador Waldemar Júnior, entre outros. Após a sessão, gestores e vereadores se reuniram na sala de reuniões da Câmara, onde o secretário executivo da Educação, André Vitral, reconheceu que a redação do ofício enviado às escolas sobre o repasse de verba da merenda poderia ser mal interpretado. “Pedimos desculpas por termos usado um termo inadequado quando utilizamos o termo “impossibilidade” de repasse. Contudo, nunca agimos de má fé e provamos que os repasses foram feitos”, frisou o secretário.

A secretária da Educação, Berenice Barbosa, que se encontrava em missão internacional, na época do envio do ofício às escolas, destacou seu compromisso e responsabilidade com a aplicação dos recursos públicos e acrescentou que todos os gestores escolares são orientados constantemente sobre a seriedade e o compromisso com o dinheiro público. “Somos pessoas sérias, honestas, temos uma história na educação”, disse, acrescentando que estava satisfeita em poder prestar esclarecimentos e provar a transparência de sua gestão. 

Gestores fazem mobilização

Na tarde desta quarta-feira, 14, a secretária Municipal da Educação, Berenice Barbosa, acompanhada de aproximadamente 80 educadores entre gestores escolares, diretores e técnicos da Semed estiveram na sede do grupo Jaime Câmara para reivindicar um direito de resposta sobre às acusações feitas pelo vereador Júnior Geo, sobre o repasse de recursos para a merenda escolar. 

Os educadores foram recebidos pelo diretor geral do grupo no Tocantins, Jean Carlos Almeida Teixeira, que declarou que o grupo Jaime Câmara e todos os veículos que o compõem não têm posição e afirmou que o espaço está sempre aberto para a secretaria. 

Na matéria veiculada em um telejornal da emissora no dia 09 de maio, o vereador afirma ter encaminhado um ofício ao Ministério Público Federal (MPF), solicitando uma investigação acerca de possíveis irregularidades no repasse de recursos da merenda escolar, o que foi contestado pela secretária Berenice. "O vereador nunca me procurou para buscar esclarecimentos e como eu respondo pela pasta da Educação a maior prejudicada com essa calúnia sou eu", afirmou acrescentando, "eu sou uma profissional de carreira, eu zelo pela educação e por tudo que lhe diz respeito, e eu quero que os fatos sejam esclarecidos junto à sociedade. Nós viemos aqui para mostrar para a sociedade que essa reportagem não é verdadeira porque nunca houve desvio de recursos, até porque a lei não permite que isso aconteça, nós conhecemos a legislação e temos responsabilidade", afirmou.

Na oportunidade a titular da pasta entregou ao diretor do grupo uma cópia de todos os extratos que informam os valores que foram repassados a cada unidade educacional e que comprovam que o repasse de recursos para a merenda escolar está totalmente em dia. 

Acompanhando os educadores, o presidente do Conselho Municipal de Educação (CME) Ivo Hemkemeier, ratificou as palavras da secretária e afirmou que não existe desvio de recursos e que os mesmos estão todos sendo repassados às unidades educacionais com regularidade. "Diante disso, eu só posso afirmar que quem passou essa informação para o jornalista está mal informado ou com outras intenções e nós lamentamos muito, porque isso depõe contra a credibilidade da educação e da escola, que acaba sendo prejudicada com a quebra da confiança dos pais", declarou.

Junior Geo

Durante sessão na Câmara Municipal de Palmas o vereador Júnior Geo (PROS) afirmou que o secretario executivo de Educação, André Vitral agiu de má fé e de forma leviana “porque, após ser consultado, ele reafirmou da impossibilidade de repasse do recurso da Gestão da Merenda Escolar”, declarou se referindo ao ofício expedido pelo secretário comunicando a impossibilidade do repasse do recurso da Merenda Escolar, no mês de abril pela Prefeitura de Palmas.

O parlamentar foi além e disse “não sei qual a real intenção desse secretário incompetente que jogou o meu nome na lama e de vocês diretores e o da secretária Berenice. Ele não é ordenador de despesa, porque assinou um  documento oficial se a secretária não estava ausente”, questionou Júnior Geo. (Da redação com informações Secom Palmas)