Geral

Foto: Divulgação

O Conselho Nacional de Justiça é o novo apoiador do Unicef no Brasil na divulgação da campanha “Está em minhas mãos proteger nossas crianças”, que a organização vai lançar no País na próxima semana. Em 18 de maio é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes e a data foi escolhida pelo Unicef para lançar essa iniciativa de proteção a crianças e adolescentes na Copa do Mundo 2014.

A campanha convida brasileiros e estrangeiros a ficarem atentos e a denunciarem casos de violência contra crianças e adolescentes durante o mundial de futebol. O principal elemento da campanha é o aplicativo “Proteja Brasil” para smartphones e tablets. A partir do local onde o usuário está, o app indica telefones para denúncias e endereços de delegacias, conselhos tutelares, Varas da Infância e Juventude e organizações que ajudam a combater e reprimir a violência contra a infância e adolescência nas principais cidades brasileiras. Veja o vídeo sobre o aplicativo.

Durante toda a semana de 18 a 23/5 será realizada uma grande movimentação nas redes sociais com posts de atletas, artistas, doadores e apoiadores, com o objetivo de ajudar a engajar as pessoas a baixar o aplicativo e denunciar situações de violência contra crianças e adolescentes durante a Copa e mesmo depois do evento.

Aplicativo - O aplicativo Proteja está disponível em português, inglês e espanhol e pode ser baixado gratuitamente na Apple Store e Google Play. Foi desenvolvido em parceria entre o Unicef, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) e a organização não governamental Cedeca-Bahia. O software foi desenvolvido de forma voluntária por uma empresa alagoana criada por jovens empreendedores digitais, a IlhaSoft. Para saber mais, clique aqui.

Eu cuido – Em abril passado, o CNJ lançou campanha com o mesmo objetivo, com o nome “Eu Cuido”, divulgando em todas as suas ferramentas de comunicação leis relativas à exploração infantil, mecanismos de denúncia e formas de identificação de violência, além de outros conteúdos relativos ao tema.

As redes sociais do CNJ utilizaram durante todo o mês de abril a hashtag #EuCuido. No YouTube, o Conselho replicou vídeo da Fundação Telefônica mostrando os prejuízos da exploração do trabalho infantil para o país. Diversas entidades e instituições parceiras do CNJ também divulgaram o conteúdo da campanha nas próprias páginas.

Tipos de violência - Qualquer situação que coloque em risco o desenvolvimento pleno de uma criança ou adolescente pode ser uma forma de violência. Ela pode acontecer dentro e fora de casa. Entre as violências mais comuns sofridas por crianças e adolescentes, estão: negligência, abandono, discriminação, agressões físicas e psicológicas, trabalho infantil, abuso e exploração sexual. (CNJ)