Polí­cia

A equipe de Policiais Civis da Delegacia Estadual de Investigações Criminais – DEIC sob comando da Delegada, Liliane Albuquerque Amorim, realizou a “Operação Farol” em parceria com a Polícia Civil do Maranhão. Na operação que foi realizada na última semana, foram presos, em Imperatriz – MA, Leudivan C. S., vulgo Chiquinho ou Macaco, Zandonai B. O., Francilde A. V. S. e Ismael C. O. A., vulgo Daniel Q. acusados de roubo majorado com extorsão mediante sequestro contra o Banco do Brasil S/A, localizado na cidade de Araguaína, Norte do Estado do Tocantins.

O crime teria acontecido no dia 15 de abril deste ano, por volta das 20h30  quando o gerente da Agência, chegava em sua residência. Quando foi tentar colocar seu veículo dentro de sua casa o gerente teria sido abordado por dois elementos armados, Nilson X. e Maciel L., onde teriam anunciado que tratava de roubo ao Banco do Brasil, rendendo a família do gerente fazendo as reféns dentro de sua própria casa.

Os acusados teriam passado a noite na residência do gerente sendo visitados de madrugada por um elemento encapuzado chamado, Adriano que teria informado ao gerente que na manhã do dia seguinte levaria sua esposa e filhos para um cativeiro e somente os liberaria mediante a entrega de R$ 1.000.000,00 (Um milhão de reais). Porém o gerente conseguiu convencer os meliantes de que a quantia que havia dentro do banco era de apenas metade disso.

Por volta das 09h da manhã do dia 16 de abril o meliante Maciel teria ficado com a família do gerente no cativeiro localizado em um matagal, enquanto o gerente se dirigia sozinho a Agência Bancária. Após sacar a quantia de R$ 500.000,00 (Quinhentos mil reais) a vítima teria se dirigido até o local combinado com a quadrilha, onde deveria deixar uma caixa de papelão com o dinheiro, sendo orientado a não acionar a Polícia senão sua família seria morta.

O gerente teria deixado a quantia no local combinado e retornado para casa, enquanto o restante da quadrilha Leudivan,, Zandonai, William, Ismael, Adriano e Maxson vulgo Boca de Lata, na espreita, ficaria observando enquanto o comparsa de nome Francilde Al. V. S.  teria que  pegar a quantia em dinheiro colocada dentro da caixa de papelão.

O comparsa Francilde, imediatamente teria tomado rumo a Imperatriz, onde teria aguardado o restante da quadrilha chegar para dividirem o valor subtraído, bem como os celulares de última geração subtraídos da família do gerente. Francilde seria o membro recrutado pela quadrilha somente para realizar a função de pegar o dinheiro e imediatamente o retirar da esfera do local subtraído, devido a grande movimentação de policiais sequencialmente, enquanto o restante da quadrilha se alojaria em uma residência  que teria sido alugada pelo comparsa William C. A. A. e Nilson B. o Xenon, moradores da cidade de Araguaína.

Entretanto parte dessa quadrilha já vinha sendo monitorada pela DEIC de Palmas por envolvimento, em outro roubo a instituição bancária e ao verificar a movimentação da quadrilha acionou de pronto a DEIC de Araguaína , chefiada pelo delegado Emerson Francisco Moura, que conseguiu prender dois elementos:  Maciel M. de S. e Nilson B., vulgo Xenon. 

De acordo com a Delegada, a equipe da DEIC intensificou as investigações e mediante deferimento de Prisões Temporárias de 30 dias, em desfavor dos elementos. “Segundo informações da Polícia Civil do Maranhão, dois elementos que fazem parte desta quadrilha se encontram presos no Estado pela mesma tipificação criminal, enquanto foram presos, nesta força tarefa, outros componentes novos recrutados pela organização criminosa para novamente compor a quadrilha”, destacou o delegado.

Conforme a Delegada na ação foram apreendidos, um veículo Cruze modelo novo, um veículo  Fiesta semi - novo, um veículo Astra. batido. Os veículos ficarão à disposição da Justiça de Araguaína com o intenção de garantir o juízo da dívida do roubo para com a instituição Bancária vitimada. Restam ainda três membros da quadrilha aos quais ainda estão foragidos que são eles: William C. B.de A., Adriano R. M. vulgo Doidão, Maxson O.da S., vulgo Boca de Lata. Os presos foram encaminhados para Unidade de Tratamento Penal – Barra da Grota, em Araguaína e colocados à disposição do Poder Judiciário.

Estas ações vêm de encontro com as determinações do Secretario de Estado da Segurança Pública, José Eliú de Andrada Jurubeba e do Delegado Chefe da Polícia Civil, Bonfim Santana Pinto no sentido de intensificar e combater a criminalidade no Estado com a união de vários setores da Policia Civil do Tocantins e a integração com as Polícias Civis de outros Estados, em especial os estados do Maranhão e Pará. (Ascom SSP)