Estado

Foto: Divulgação

A Associação de Praças Militares do Estado do Tocantins (Apra), informou ao Conexão Tocantins por meio de nota nesta quarta-feira, 04, que as escalas de serviço dos bombeiros militares do Estado são desumanas. Segundo a Associação, atualmente os servidores militares do Corpo de Bombeiros estão submetidos a uma escala “análoga a de escravos”, chegando a trabalharem 280 horas mensais.

Diante da situação a Associação defende para todos os bombeiros militares uma escala na qual cada hora trabalhada corresponda a 3 horas de folga. A entidade defende ainda o pagamento de hora extra ao militar que ultrapassar às 180 horas mensais de serviço, conforme previsto na Constituição Federal e Legislação Militar.

O Cabo João Victor Moreia de Freitas, presidente da Apra-Tocantins, afirmou ao Conexão Tocantins que desde o dia 18 de maio a escala foi alterada e que “ta todo mundo estressado com cansaço físico, mental. Estamos reunidos na Associação numa reunião com advogados e o pessoal dos bombeiros, vamos procurar o Ministério Público, os  direitos humanos, para resolver essa situação”, afirmou.

João Victor ainda afirmou que a escala foi alterada devido o período seco no Estado. Disse que a justificativa para alteração da carga horária é de que o período é favorável a queimadas, período de praia, etc. Mas, segundo ele, os bombeiros procuraram a Associação reclamando, com cópias das escalas. Ele disse que a alteração na escala não justifica. “O próprio bombeiro treina o pessoal da brigada, guarda metropolitana, o próprio Estado pode contratar bombeiro civil. Então não justifica submeter os bombeiros a uma escala desumana dessa”, disse.