Polí­tica

Foto: Divulgação O vereador queixou-se do fechamento do hospital O vereador queixou-se do fechamento do hospital

O vereador Antônio Francisco da Fonseca (PR) de Combinado (TO) em visita ao Conexão Tocantins na tarde desta quarta-feira, 25, queixou-se do fechamento do Hospital Municipal Santa Luiza feito a pedido da atual prefeita Maria do Socorro (PSD). 

Segundo o vereador, o hospital não está mais atendendo a população local como uma unidade hospitalar de saúde, passando a ser um simples posto de pronto atendimento sem condições de atendimento. Antônio Fonseca disse ainda que a prefeita não consultou os vereadores sobre o fechamento e que a mesma mente ao dizer que o hospital foi fechado pelo Governo do Estado.

O vereador apresentou ao Conexão Tocantins cópias de documentos com a assinatura da prefeita solicitando exclusão do funcionamento da estrutura física de saúde do Hospital de Combinado, com a justificativa de não ter recursos financeiros para suprir a demanda necessária para atender a comunidade, solicitando sua transformação em Unidade Básica de Saúde.

O vereador ainda apresentou documentos com assinatura da ex-secretária de Saúde do Estado, Vanda Paiva, aprovando o descredenciamento do hospital e credenciamento como de Unidade Básica de Saúde (UBS).

Atualmente os atendimentos de maior complexidade são feitos pelo Hospital Regional de Arraias que fica a 70 km de Combinado.

Prefeitura

O advogado do município Rodrigo Ayres, afirmou ao Conexão Tocantins que as diretrizes do SUS quem define é o Ministério da Saúde e que os pequenos municípios tratam de doenças de pequenas complexidades. Ainda segundo o advogado, o município de Combinado recebe demandas de pequenas complexidades, Arraias de média complexidade e Palmas de grande complexidade.

O Conexão Tocantins tentou ouvir o secretario de Saúde do município mas não obteve êxito.

Sesau

A Secretaria Estadual da Saúde confirmou ao Conexão Tocantins que não é responsável por fechamento de hospitais municipais e sim a gestão municipal. Segundo a Secretaria, tudo e qualquer serviço tem que passar pelo Conselho Estadual de Saúde para aprovação e pela CIB (Comissão Intergestores Bipartite) a qual Vanda Paiva era presidente, recebendo assim sua assinatura. Mas segundo a Secretaria, quem solicita o fechamento é o município.