Campo

Foto: Divulgação

Com o objetivo de apoiar à demonstração de ausência de circulação de vírus da febre aftosa, em atendimento as regras estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal – OIE e determinação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, a Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec) promoveu nesta segunda-feira, 7 de julho, uma reunião de trabalho com inspetores agropecuários que participarão do inquérito sobre circulação viral da febre aftosa no Tocantins.

O estudo será feito em animais com idade entre 6 a 12 meses e acontecerá em etapas que incluem inspeção às propriedades selecionadas para constituição das Unidades Populacionais Amostral – UPAs, análise da base de dados e definição do total de amostras, monitoramento das unidades amostral, coleta de amostras e encaminhamento destas para o laboratório. No Tocantins foram escolhidas para o estudo pelo Mapa, 33 propriedades em 29 municípios, que totalizarão 1.056 amostras.

O responsável Técnico pelo Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa, João Eduardo Pires, disse que a partir da próxima semana os kits serão entregues nas regionais da Adapec e o trabalho será iniciado com a notificação dos produtores que tiveram suas propriedades contempladas no inquérito. “Após a notificação, os inspetores selecionarão os animais identificando cada um destes com brincos que contém uma numeração, e estes animais ficarão em piquetes separados do rebanho até a conclusão do estudo”, explicou Pires.

O Ministério da Agricultura recomendou que antes do processo de coleta de amostras seja feito um acompanhamento clinico dos animais a cada 15 dias, e que a colheita do material aconteça após 60 dias da última vacinação contra febre aftosa para que não haja interferência na pesquisa.

Para o presidente da Adapec, Marcelo Aguiar Inocente, o inquérito sobre circulação viral da febre aftosa que acontecerá no Tocantins e nos demais estados que possuem status de livre da doença com vacinação é uma certificação importante para o Estado, pois atende as exigências de mercados importadores de carne, “com resultados negativos sobre a existência de vírus podemos ampliar o nosso mercado exportador”, destacou. (Ascom Adapec)