Geral

Foto: Suene Mendes

A VLI, empresa de logística que integra operações em ferrovias, portos e terminais intermodais, desembarcou na terça-feira, 05, quatro locomotivas no Porto do Itaqui. Os equipamentos saíram do Porto de Santos e vão operar no trecho da Ferrovia Norte Sul (FNS) para dar suporte à demanda de transporte de grãos e celulose na região do corredor Centro-Norte, que interliga os estados do Tocantins e Maranhão.

As locomotivas, SD70AC, foram transferidas do corredor logístico Centro-Sudeste da VLI para reforçar a frota do Centro-Norte. O modelo é o mesmo das outras sete locomotivas que a empresa adquiriu no início de 2014 também para o transporte na FNS.

No Itaqui, as locomotivas foram  içadas com o uso de dois guindastes localizados a bordo do navio. Cada locomotiva pesa em média 180 toneladas. Após o desembarque, os equipamentos passam por um procedimento de rotina de inspeção para serem  incorporados às atividades ferroviárias ainda na primeira quinzena de agosto.

Estratégia de crescimento

A VLI atua em nove Estados e no Distrito Federal, divididos em cinco corredores logísticos: Centro-Norte, Centro-Leste, Centro-Sudeste, Minas-Rio e Minas-Bahia. Apenas no corredor Centro-Norte, que engloba os Estados do Maranhão e Tocantins, a frota de vagões para grãos e combustíveis mais que dobrou entre 2011 e 2013, saltando de 362 unidades para as 877 atuais. Já as quatro locomotivas irão somar-se às 07 máquinas SD70AC, mais os 12 equipamentos, modelo C36, que rodam nos trilhos da FNS, totalizando uma frota de 23 máquinas.

“O corredor Centro-Norte, que engloba os Estados do Maranhão e Tocantins, está na rota de crescimento da VLI. Além das aquisições em material rodante, também estamos estudando a implantação de novos terminais de cargas no Tocantins. Estamos atentos ao desenvolvimento dessa região e queremos crescer junto com ela”, destaca o gerente de fomento de negócios da VLI, Eduardo Calleia.

Sobre a SD70AC

Com potência de 4.300 hp, as SD70AC apresentam uma redução de consumo de combustível em 9%, se comparado às locomotivas utilizadas atualmente na FNS. Os novos ativos seguem o padrão americano, um dos mais rigorosos em relação à segurança e a conservação do meio ambiente. As cabines são climatizadas, com equipamentos para proporcionar conforto e segurança ao maquinista. Além disso, as operações da FNS ganharão em rapidez e eficiência. “Com máquinas mais modernas e potentes, esperamos realizar trens maiores, com menor quantidade de locomotivas, o que reduzirá a necessidade de manobras para a montagem dos trens, dando agilidade no escoamento dos produtos por ferrovia”, explica Calleia.

Sobre a VLI

A VLI tem o compromisso de apoiar a transformação da logística no País, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). A VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.

Por: Suene Mendes (colaboração)

Tags: Eduardo Calleia, Ferrovia Norte-Sul, VLI