Esporte

Foto: Marcus Mesquita

Os Jogos Escolares da Juventude (JEJ), categoria 12 a 14 anos, terminaram com bons resultados para o Tocantins. Após os alunos atletas das
modalidades individuais voltarem com duas medalhas para o Estado, neste fim de semana mais quatro medalhas foram conquistadas pelos representantes do Tocantins, nos esportes coletivos.

No futsal, as alunas-atletas da Escola Estadual Adá de Assis Teixeira, de Goiatins, garantiram ouro no ano de estreia nos Jogos. As tocantinenses
surpreenderam as adversárias e subiram ao lugar mais alto do pódio após vencerem a equipe paranaense de Londrina, cidade-sede da competição, pelo
placar de 2 a 0.

Autora dos dois gols marcados na final, a estudante Kaliane Andrade Araújo quase não acreditava no que havia acabado de conquistar com as amigas de
equipe. “Nós surpreendemos em Palmas (final estadual dos Jets) e agora aqui também. Na verdade, ser campeã aqui é uma surpresa; a gente não esperava isto, até porque estreamos este ano. Mas a alegria é enorme porque ganhamos a medalha de ouro e eu sei que muita gente da minha cidade vai se inspirar na gente agora”, disse a camisa 11 do time.

Vice-campeões

Igualmente finalistas dos JEJ, os alunos-atletas do Centro Educacional Fé e Alegria (Cefya) Frei Antônio, de Tocantínia, foram vice-campeões no futsal
masculino e no handebol feminino.

No futsal, os meninos tocantinenses perderam o título para o Londrina. Apesar de ficarem à frente do placar até metade do segundo tempo, os
adversários viraram o jogo e garantiram vitória por 2 a 1.

Já no handebol, as representantes do Cefya encararam o time de Rondônia na final e perderam por 19 a 14, ficando com a medalha de prata da competição.

No basquete, a equipe masculina do Colégio São Geraldo, de Paraíso, perdeu no final do jogo para Mato Grosso.

As quatro equipes do Tocantins que conquistaram ouro e prata na competição garantiram com o bom resultado a subida da terceira para a segunda divisão, nas respectivas modalidades, para a edição 2015 dos Jogos Escolares

Seleção Brasileira

Além das medalhas, o Tocantins ainda teve quatro alunos-atletas convocados para as seleções brasileiras de base do handebol e do voleibol.

No handebol, os convocados foram a armadora Luísa Maria Rodrigues Borges, o central Luis Henrique Amorim Lopes e o ala-esquerda Marcos Alexandre Sousa Costa, todos do Cefya Frei Antônio. Os três alunos-atletas foram pré-selecionados pela Confederação Brasileira de Handebol (CBH) para participarem do Acampamento Nacional de Desenvolvimento da Seleção Juvenil do Brasil, previsto para ser realizado no Centro de Treinamento (CT) daCBH, em Santa Catarina, no mês de novembro.

No voleibol, Melissa Costa Noleto Martins Maia foi a aluna-atleta convocada para um treinamento no CT da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), no Rio de Janeiro. A jogadora, que atua na entrada de rede, passará uma semana em Saquarema integrando a Seleção Escolar do Brasil.

Saldo positivo

Contando as etapas das modalidades individuais e coletivas, o Tocantins conquistou uma medalha de ouro, quatro de prata e uma de bronze, o que agradou bastante ao chefe da delegação tocantinense e coordenador de desporto educacional da Secretaria de Estado da Educação e Cultura (Seduc), Carlos Ricardo Santos. ”Desde o início eu já dizia que, nesta categoria, nós teríamos toda condição de competir de igual para igual com os outros Estados. E a conquista de tantas medalhas veio a confirmar isto, mostrando o quanto os atletas do Tocantins têm melhorado de nível técnico, inclusive subindo de categoria em quatro modalidades. Agora, precisamos manter o trabalho esportivo dentro das escolas para que, em 2015, a gente possa continuar no grupo mais seleto dos Jogos Escolares, conquistando ainda mais medalhas”, afirmou o educador.

Investimento no esporte escolar

Para o diretor-geral dos JEJ, Edgar Hubner, o investimento público nas políticas de incentivo ao esporte tem colaborado para que o equilíbrio das disputas por medalhas seja cada vez maior. “Os Jogos buscam trazer as crianças para a atividade esportiva, o que dá a elas melhor qualidade de vida. As medalhas são uma consequência, porque quanto mais alunos tiverem acesso à prática esportiva, mais provável é que eles se desenvolvam no esporte e conquistem medalhas. E este acesso deve ser tratado como uma política pública nacional, e tem sido de fato, tanto que houve uma democratização na conquista de medalhas; não está tudo mais concentrado em uma só região. Isto é uma prova da riqueza esportiva de todos os lugares, e
os estados têm notado isto e têm investido mais na oferta do esporte nas escolas. O Tocantins mesmo teve um crescimento notável, indo para quatro finais e tendo conquistado outras duas medalhas”, destacou o gerente-geral de juventude e infraestrutura do Comitê Olímpico do Brasil (COB). (Ascom Seduc)