Campo

Foto: Imagem ilustrativa

Os produtores de mandioca do Tocantins estão animados com a possibilidade de melhorar a qualidade da produção de mandioca no Estado. A partir de uma demanda deles, a Embrapa Pesca e Aquicultura e a Embrapa Mandioca Fruticultura estão articulando o desenvolvimento do projeto Reniva (Rede de multiplicação e transferência de manivas-semente de mandioca com qualidade genética e fitossanitária) na região.

O projeto foi apresentado na quarta-feira (10) a representantes de associações de produtores de mandioca do Tocantins e de entidades como a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Instituto do Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), Secretaria de Agricultura e Pecuária do Tocantins (Seagro), Prefeitura Municipal de Palmas e Fundação Universidade do Tocantins (Unitins-Agro).

De acordo com o analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura Hermínio Rocha, diante dos relatos dos próprios agricultores da baixa produtividade das variedades locais da raiz, o projeto seria uma solução viável de tornar o sistema de produção mais organizado e estruturado, a exemplo do que está acontecendo no nordeste. "o Reniva pode atender perfeitamente a falta de material propagativo de mandioca na região, mas muito importante o envolvimento de atores locais como assistência técnica e extensão rural", ressaltou.

Para o chefe adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Mandioca e Fruticultura Alberto Vilarinhos o projeto apresenta uma plasticidade que permite atender às necessidades dos produtores da região. "É importante ressaltar que é um projeto do Estado, que deve ser adequado à realidade regional", explicou.

O primeiro passo a ser tomado, segundo especialistas da Embrapa é avaliar por meio de testes quais as variedades de mandioca mais adequadas para a região: de mesa, farinha ou fécula. A partir daí, definir com os atores locais envolvidos a melhor estratégia para viabilizar a implementação do projeto do ponto de vista financeiro e estrutural.

O projeto

A rede Reniva teve início em 2010, com o intuito de atender a falta de material propagativo de mandioca (maniva), principalmente, nas regiões Norte e Nordeste. Atualmente o projeto está sendo implementado em Alagoas, Bahia, Maranhão, norte de Minas Gerais, Pernambuco, Piauí e Sergipe.

O projeto possibilita produzir cultivares livres de vírus; disponibilizar manivas de plantas de mandioca para serem multiplicadas em larga escala; validar genótipos de mandioca em diversos ambientes; resgatar variedades tradicionais, entre outros. (Ascom Embrapa)