Cultura

Foto: Lucas Nascimento

A padroeira de Porto Nacional, Nossa Senhora das Mercês, é festejada neste mês de setembro pelos fiéis do tradicional município tocantinense. Na segunda-feira, 15, teve início a Festa das Novenas, manifestação considerada Patrimônio Histórico e Cultural do Estado, e que se repete há cerca de um século. Parte da programação dos Festejos em homenagem à santa, as comemorações pela padroeira dos portuenses seguem até o dia 24 e são realizadas neste ano com o tema “Sob o olhar materno da Senhora das Mercês celebramos 100 anos de Igreja Diocesana”.

Por meio da Lei nº 2.854, a Festa das Novenas Nossa Senhora das Mercês foi declarada Patrimônio Histórico e Cultural do Estado em 25 de abril deste ano. “Este é um marco para nós, porque o Festejo representa nossa história. O reconhecimento foi um passo muito importante para todos os portuenses e tocantinenses que terão mantida esta tradição”, ressaltou o pároco da Catedral Nossa Senhora das Mercês, Padre Pedro Novaes.

Para os moradores da cidade, o mais importante é saber que a tradição será mantida e repassada às próximas gerações. “Como Patrimônio Histórico tenho certeza que meus netos e bisnetos irão conhecer esta festa tão bonita, da qual participo desde criança. Sou muito devoto de Nossa Senhora, esta é uma reunião da comunidade e não pode se perder com o tempo”, frisou o fiel Lazaro Farias, 75 anos.

Dona Odézia Rodrigues Teles, 83 anos, mora em Porto Nacional há 63 e não perdeu um festejo em todos esses anos. “A gente deve sempre manter esta tradição, o Festejo todo é muito bonito, mas eu gosto mesmo é das missas”, afirmou.

Procissão

Antes do início da novena, os fiéis participaram nesta segunda-feira de uma procissão fluvial pelo lago, levando a imagem de Nossa Senhora das Mercês até a Catedral, onde foi realizada ainda a Missa Campal Crioula em homenagem às famílias gaúchas do município.

“Acho muito bonito esta homenagem à nossa cultura, ao gaúcho, à semana farroupilha. Em forma de agradecimento ofertamos alguns itens como a gaita, o violão, o chimarrão, o pelego, o laço que fazem parte da cultura tradicionalista”, disse Jéssica Laíze Silva Oliveira, de 18 anos, que acompanha o Festejo desde criança e participou da celebração religiosa.

Até o próximo dia 24, dia da Padroeira, o festejo segue em Porto Nacional com a celebração de missas, novenas, leilões, quermesses, shows e cavalgadas. (Ascom Seduc)