Polí­tica

Foto: Divulgação Vereador Claudemir Portugal afirmou que pediu a convocação do empreiteiro Vereador Claudemir Portugal afirmou que pediu a convocação do empreiteiro

O vereador Claudemir Portugal acusou nesta última terça-feira (16), o empresário Alex Neves, proprietário da NG Construtora, de "picareta". A construtora é responsável pela obra de infraestrutura no Aureny III com o Setor União Sul.

Portugal justificou a acusação pelo fato de a empreiteira ter recebido o pagamento pela prestação do serviço e o mesmo se encontrar parado. Segundo o vereador, que esteve na Secretaria de Infraestrutura para verificar a situação da obra, os trabalhadores, que estão no local, não têm sequer água para beber e o proprietário da empreiteira não aparece no local para dar uma satisfação qualquer a seus colaboradores e fornecedores, que se encontram parados. "Quando soube que o pagamento havia sido feito liguei eu mesmo para o proprietário e lhe questionei sobre o porque do serviço estar paralisado enquanto o município honra com seus compromissos. E sempre as desculpas de que esta semana vai sair e as mentiras de sempre", afirmou Portugal.

Claudemir Portugal afirmou que pediu ao secretário de infraestrutura, Marcílio Ávila, a convocação do empreiteiro para que dê explicações sobre a paralisação das obras.

Seisp

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seisp) esclareceu ao Conexão Tocantins que o contrato com a NG Construtora está em plena vigência, tendo sido assinado em maio deste ano e seu término será em abril de 2015. Segundo a Secretaria, houve um atraso inicial na execução das obras por parte da empresa que foi notificada à época pela Seisp.

A Seisp esclareceu ainda que até o momento os pagamentos realizados correspondem a serviços que realmente foram executados e os pagamentos foram feitos somente após aferição dos serviços por técnicos da Caixa Econômica Federal.

Ainda segundo a Secretaria, na tarde desta quarta-feira, 17, haverá uma reunião com a empresa e a Superintendência de Obras da Seisp com o objetivo de cobrar mais celeridade da empresa quanto à execução das obras. (Matéria atualizada às 16h11)