Ciência & Tecnologia

Foto: Divulgação

Após as mudanças de algorítimos no Facebook (que aumentaram o apelo por publicidade e posts pagos) e com o fim oficial do Orkut , uma nova rede social começa a chamar atenção na internet. A Ello é uma iniciativa privada construída por e para designers gráficos e programadores e que ganhou, recentemente, uma versão pública.

A promessa da ferramenta é, ao contrário de outras mídias sociais, não utilizar os dados dos usuários para vender e exibir propagandas. Contudo, outras redes sociais também começaram sem oferecer propagandas e mudaram de estratégia a partir do aumento de demanda. Em sua defesa, a equipe da Ello informou que foi concebida a partir do discurso de não ter anúncios e que poderá lucrar com a venda de recursos diferenciados para os perfis de usuários. Assim, em vez de ganhar com cliques, a intenção é criar opções de personalização pagas.

De acordo com Bia Granja, criadora do Youpix, plataforma que discute a cultura da web, os dois modelos de negócio (propagandas e venda de recursos) são válidos . "A venda de recursos do Ello não vai criar nichos de usuários dentro da rede. O Ello, na verdade, oferece um modelo premium assim como acontece em outras redes como no Viber, por exemplo", analisa.

Para Bia, o Ello também não é uma alternativa ao Orkut ou Facebook. Sobre o fim do Orkut, ela considera que morte da rede se deve mais a um abandono de investimentos do Google do que, necessariamente, ao aparecimento de outra mídia social.

A especialista defende a coexistência das redes e prevê que o sucesso do Ello vai depender muito mais dos usuários. "Temos que esperar um pouco para entender quais usos os usuários vão decobrir e fazer da rede. O Ello, inclusive, é mais parecido com a plataforma Tumblr do que com o Facebook", compara. 

Recursos no Ello x Face 

Atualmente, o Ello não possui recursos básicos como bloqueio de usuários, centro de notificações de mensagens e algumas integrações com outras redes como o Instagram, Vimeo e Youtube. Esses itens estão na lista de recursos a serem implementados futuramente.

Já o Facebook possui hoje grande parte das funcionalidades pretendidas pela nova rede. Bia Granja considera difícil aparecer uma rede tão sólida que seja capaz de bater de frente com o Facebook. "O Facebook abriga, hoje, vários elementos da internet, desde entrenimento, e-commerce, etc. É difícil encontrar outro lugar que reúne tanta coisa ao mesmo tempo", conclui.

Como o Ello funciona 

Disponível apenas no idioma inglês, é preciso receber um convite para entrar na Ello. O visual, em preto e branco, busca a simplicidade e traz algumas funções conhecidas de outras redes sociais como o uso do @ para citar uma pessoa. Há duas formas de classificar os perfis que você segue. A primeira é chamada de "Friends", utilizada para colocar as pessoas ou páginas mais próximas. Já a "Noise" é voltada para outros perfis menos prioritários. 

A rede está disponível somente via web, mas os desenvolvedores pretendem disponibilizá-la em versão mobile para sistemas Android e iOS. (EBC)

Por: Redação

Tags: Agência Brasil, Bia Granja, Ello