Campo

Araguaína, no Norte do Tocantins, recebe entre os dias 5 e 7 de novembro, o terceiro módulo de capacitação continuada em cultivo de tambaqui no sistema de viveiro escavado. Os demais módulos foram em agosto e em setembro deste ano. A capacitação faz parte do Projeto Peixe Mais, que também trabalha com o cultivo de tambaqui no sistema de tanque-rede.

Marcela Mataveli, zootecnista e coordenadora da capacitação, trabalha na área de transferência de tecnologia da Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO). Ela conta que "os participantes são muito comprometidos e já vieram com o objetivo de aprimorar as tecnologias para serem utilizadas em sua região. Nós tínhamos um plano de curso, que foi sendo adaptado para atender à demanda deles. Um exemplo disso é a utilização do levantamento altimétrico para construção de viveiros escavados, que será apresentado neste módulo".

A maioria dos participantes da capacitação, que termina neste módulo, é formada por técnicos do Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado do Tocantins (Ruraltins). Desta vez, eles discutirão temas como abate e importância da qualidade do pescado para a comercialização, prevenção de doenças e planejamento na aquicultura e deterioração e processamento do pescado.

No último dia, está previsto um dia de campo sobre levantamento altimétrico. Marta Eichemberger Ummus e Deivison Santos, ambos da Embrapa, serão os palestrantes. Deivison explica que "a ideia é que, após a palestra, os técnicos tenham condições de operar um nível topográfico, realizando levantamentos altimétricos para projetos de conservação de solos (marcação de curvas de nível), irrigação, construção de viveiros escavados etc. O foco é na construção de viveiros escavados".

Projeto 

O Peixe Mais tem patrocínio do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) e diversos parceiros, como a Prefeitura de Araguaína e o Ruraltins. Há duas páginas ligadas ao projeto: uma sobre tambaqui em viveiro escavado (acesse por aqui) e outra sobre tambaqui em tanque-rede (clique aqui para acessar). Para ver a programação completa deste terceiro e último módulo, clique aqui.

Marcela destaca que "o trabalho realizado em Araguaína foi de muito aprendizado para a equipe da Embrapa. Foi muito bom poder estabelecer laços de troca de experiências entre nossos colegas de trabalho. Acho que essa troca permite o crescimento da aquicultura no estado". (Ascom Embrapa)

Por: Redação

Tags: Araguaina, Embrapa, Marcela Mataveli