Polí­tica

Foto: Divulgação

O coordenador da equipe de transição do governo, ex-secretário, Herbert Brito , popular Buti, entrega no final desta segunda-feira, 10, as sugestões para a minuta do decreto da comissão de transição que será publicada esta semana no Diário Oficial. O coordenador deve conversar com o Controlador Geral do Estado, Ricardo Eustáquio sobre o assunto. “Recebemos a minuta, analisamos e vamos entregar as sugestões hoje”, frisou.

 O grupo de apoio do governador Marcelo Miranda deve intensificar as articulações a partir de hoje tanto sobre a transição como para formação do novo governo. O Partido dos Trabalhadores já se adiantou e realizou reunião na última semana onde começou a decidir a participação na nova gestão.

 Agora, o partido quer uma reunião com o governador eleito para definir quais espaços pode ocupar. “Queremos uma reunião com o governador para dialogar sobre as expectativas do governador com o  PT’, frisou o suplente de senador, Donizeti Noguueira que estava na reunião.

 Nogueira disse que o partido quer saber como pode contribuir. “É claro que quem comanda é o governador mas estamos á disposição para contribuir. Não estamos apresentando nomes para ocupar cargos, não temos nada definido ainda”, disse.

 Além do PT, PV e PSD também foram da base de apoio de Miranda nas eleições.

O presidente estadual do PV, deputado Marcelo Lelis disse que a legenda no momento está focada na transição. "Nossa intenção nesse momento é contribuir com a transição para entender a real situação do Estado", frisou. Ele lembrou que defende o enxugamento da estrutura do governo.

Segundo ele o partido pretende pensar mais na frente sobre questão de composição. "Nosso foco é a gestão", disse.

 Especulações

 Enquanto o governador eleito analisa as alterações para a próxima gestão as especulações são ventiladas a todo o momento e são conta de que a Agência Tocantinense de Notícias- ATN deve ser extinta e a pasta da Cultura deve voltar a ser uma secretaria. A pasta da Mulher também deve ser criada e a Defesa Social pode voltar para a área da Segurança Pública.

O coordenador da transição frisou porém que não há nenhuma definição oficial ainda. “Oficialmente não tem nada definido”, garantiu.