Economia

Foto: Divulgação

A VLI, empresa de logística integrada com atividades em ferrovias, terminais integradores e portuários, iniciou as obras de um novo terminal intermodal para transbordo e armazenagem de grãos em Porto Nacional, cidade tocantinense. Serão investidos R$ 129 milhões no empreendimento que se ligará a Ferrovia Norte Sul, na rota agrícola do corredor logístico Centro-Norte, com destino à exportação pelo Porto do Itaqui, em São Luís, no Maranhão.

Ocupando 600 mil m² de um terreno total de 2,2 milhões m², o Terminal Integrador Porto Nacional faz parte de uma série de investimentos da VLI no corredor Centro-Norte para transformar a logística da região e alavancar a produção dessa nova fronteira agrícola brasileira. O empreendimento terá capacidade de armazenar até 60 mil toneladas de grãos e movimentar 2,6 milhões de toneladas do produto por ano. Já em andamento, a previsão de conclusão das obras e início da operação é para 2016. A iniciativa irá gerar cerca de 590 empregos durante a construção e 200 a partir do seu funcionamento.

Estrutura

O TI Porto Nacional segue o modelo dos terminais multimodais implantados pela VLI em outras regiões do país, que funcionam como polos concentradores de carga, aumentando a agilidade do escoamento de cargas pela ferrovia até o porto. O projeto contempla a construção de uma pera ferroviária interligada a ferrovia Norte Sul, uma moderna solução logística em formato circular que permite o transbordo da carga sem necessidade de desmembrar o trem.

Com equipamentos de alta tecnologia e controle da estrutura automatizado, o terminal contará ainda com um armazém para grãos, silo pulmão, balanças rodoviárias e ferroviárias, três tombadores para caminhões, tulha ferroviária para carregamento de dois vagões simultaneamente, prédio para classificação de grãos e área administrativa.

Rota agrícola e crescimento

O objetivo do TI Porto Nacional é atender a demanda crescente de exportação de grãos pelo Porto do Itaqui, na capital maranhense, principalmente, com a entrada do TEGRAM. A carga, originária nas regiões produtoras do Maranhão, Tocantins, Bahia e Piauí, chegará de caminhão até o terminal e de lá seguirá transportada pela FNS, também controlada pela VLI, para o Porto do Itaqui, com destino à exportação. Isso tornará a logística de escoamento mais ágil e eficiente, além de contribuir para a redução de aproximadamente 400 caminhões por dia com destino ao porto das estradas.

Seguindo a estratégia de crescimento no corredor Centro-Norte, a VLI ainda prevê a construção de mais um terminal no Estado, em Palmeirante, onde a empresa já possui uma estrutura de transbordo de grãos. O empreendimento demandará R$ 135 milhões e terá capacidade para armazenar 90 mil toneladas de grãos e movimentar 3,4 milhões de toneladas por ano. A previsão é que até o final desse ano as obras também sejam iniciadas.

Sobre a VLI

A VLI tem o compromisso de apoiar a transformação da logística no País, por meio da integração de serviços em portos, ferrovias e terminais. A empresa engloba as ferrovias Norte Sul (FNS) e Centro-Atlântica (FCA), além de terminais intermodais, que unem o carregamento e o descarregamento de produtos ao transporte ferroviário, e terminais portuários situados em eixos estratégicos da costa brasileira, tais como em Santos (SP), São Luís (MA) e Vitória (ES). A VLI transporta as riquezas do Brasil por rotas que passam pelas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. (Da assessoria)

Por: Redação

Tags: Porto Nacional, VLI