Saúde

Foto: Imagem ilustrativa/Da web

Nesta segunda-feira, 1° de dezembro, é o Dia Mundial da Luta Contra a Aids. Em seis anos, houve aumento significativo de 50 % em casos detectados no Brasil. No Tocantins, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), atualmente são registrados 112 casos de Aids e 131 casos de infecção por HIV.

De acordo com o Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), no Estado do Tocantins os casos de Aids e de HIV concentram-se nos indivíduos entre 20 e 39 anos, sendo que, nos casos de Aids, estes correspondem a 67% do total registrado no período. No Brasil, a maioria dos casos de AIDS está concentrado na faixa de idade que vai dos 25 aos 49 anos. Confira cenário epidemiológico no Tocantins em anexo.

No Brasil, os casos de Aids entre jovens de 15 a 24 anos de idade vem aumentando em velocidade bem maior do que na população em geral. Desde 2006, os casos de Aids nos jovens entre 15 e 24 anos aumentaram mais de 50%, o que quer dizer mais jovens soropositivos. No resto do mundo, o número de novos casos de HIV entre os jovens caiu 32% em uma década.

Na população geral do País, quatro em cada mil pessoas são portadoras do HIV. Mas entre os jovens gays, esse número é 20 vezes maior: 100 em cada 1.000. Hoje, 150 mil pessoas no Brasil não sabem que têm a doença.

A Aids é considerada uma doença de perfil crônico e não tem cura. Uma pessoa que é portadora da doença, além de ter que tomar remédios por toda a vida, está sujeita a enfrentar diversas complicações na saúde, entre elas, a cegueira.

Atualmente, existem os medicamentos antirretrovirais que aumentam a sobrevida dos soropositivos impedindo a multiplicação do vírus HIV no organismo da pessoa contaminada. Quanto mais cedo a presença do vírus for detectada, mais eficiente poderá ser o tratamento e consequentemente, menos complicações serão enfrentadas.

Em todo o mundo, cerca de 35 milhões de pessoas são portadoras do HIV - segundo a Organização Mundial da Saúde. De acordo com a entidade, a maioria das pessoas com AIDS vivem em países pobres ou em desenvolvimento. A AIDS é a doença infecciosa que mais mata pessoas no mundo

Dado Curioso

Cerca de 240 mil bebês nasceram com o HIV no ano passado. Isso corresponde a uma nova criança com o vírus da AIDS a cada dois minutos, de acordo com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS. 

Aids/ HIV

Aids significa Síndrome da Imunodeficiência Adquirida e é uma doença que se manifesta após a infecção do organismo humano pelo HIV que é o vírus da Imunodeficiência Humana. A Aids é caracterizada pela perda de capacidade do organismo de se defender de diversas doenças, causada pela ação do vírus no sistema imunológico.

O HIV é o vírus causador da Aids e se instala nas células do sistema imunológico, responsáveis pela defesa do corpo. Ele fragiliza o sistema imunológico, responsável por defender o corpo de doenças. O vírus pode levar vários anos dentro de um organismo antes de aparecerem os primeiros sintomas, dependendo, principalmente, do estado de saúde da pessoa. Ser portador do vírus HIV é diferente de ter Aids.

Diagnóstico

Hoje é possível saber em menos de 20 minutos se você está ou não infectado com o HIV. Através de um teste rápido que pode ser realizado de graça na rede pública de saúde e disponível para qualquer pessoa, sem precisar marcar hora, será o suficiente para detectar.

Sintomas

Febre e mal-estar estão entre os primeiros sintomas da AIDS. Depois deles, a doença passa por um período assintomático - que pode durar anos.

Se não for devidamente tratada, a AIDS pode acarretar problemas como hepatite, pneumonia e câncer.

Sesau

Em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra a Aids, a Sesau inicia nesta segunda-feira uma campanha de prevenção ao HIV/Aids.

Atos de riscos

Diversas ações podem acarretar na infecção pelo vírus HIV. Dentre as mais advertidas estão relação sexual (oral, vaginal ou anal) com homo ou heterossexual sem o uso de preservativos, compartilhar agulhas e seringas contaminadas, principalmente o uso de drogas injetáveis, transfusão de sangue, reutilização de objetos cortantes com presença de sangue ou fluidos contaminados pelo HIV, etc.