Meio Ambiente

Foto: Imagem ilustrativa/ Da Web

De acordo com informações repassadas ao Conexão Tocantins na manhã desta segunda-feira, 15, por pescadores de Brejinho de Nazaré, alguns destes profissionais no município estão desrespeitando o período da Piracema com o exercício da pesca proibida. Um pescador profissional chegou a afirmar que na calada da noite, redes são armadas para captura dos peixes.

O período da Piracema que teve início em 1° de novembro e vai até o dia 28 de fevereiro é o momento em que os peixes sobem os rios até suas nascentes para desovar. Em Brejinho de Nazaré, de acordo com pescadores, em desrespeito a esse período, outros da colônia de pesca local estão pescando mesmo recebendo o benefício (salário para que não pesque) em período de defeso.

“A gente não pode falar nada porque depois ficam sabendo. Eles vão à tardezinha e pra disfarçar ficam na beira do rio. Não estão respeitando não! É direto que acontece. Não vão durante o dia não, vão à noite”, afirmou um pescador. O mesmo ainda informou não ter visto desde o início da Piracema, atuação dos órgãos de fiscalização na região.

O pescador se posicionou descontente com a atitude ilegal e desrespeitosa ao meio ambiente. “São da colônia de pescadores e particulares. O que vai acontecer é que não vai ter (peixes no futuro) nem pra eles e nem para os outros, porque eles não param”, lamentou.

Outro pescador da cidade disse ao Conexão Tocantins que foi informado por funcionários do Cipama (Companhia Independente da Polícia Militar Ambiental) que por estarem com problemas por falta de combustível nos veículos, não estariam realizando atuação no combate a pesca proibida no período da Piracema.

Sindicato dos Pescadores

O Conexão Tocantins ouviu na manhã desta terça-feira, 16, o presidente do Sindicato dos Pescadores, Davi Rodrigues de Sousa, sobre a pesca proibida e segundo ele, os pescadores são orientados e estão conscientes da proibição e da importância da Piracema. "O pescador profissional mesmo não pesca no período da Piracema [...] nós falamos que não podem pescar, eles tem consciência que não podem pescar no período de defeso. Inclusive já questionamos, então quem tem direito de pescar no período de defeso é apenas aqueles que são ribeirinhos. A gente já conversou e se tem algum pescador que extrapola a lei é algum desobediente porque não tem o apoio da entidade", afirmou. 

O presidente falou sobre a importância da Piracema. "Nos entendemos que o período de defeso é o período da desova, então se continuar obviamente vai faltar peixe", disse. 

No Tocantins, segundo dados repassados ao Conexão Tocantins por Davi, tem atualmente 36 colônias de pescadores e aproximadamente 8 mil pescadores regularizados. 

Defeso

Davi informou que o salário recebido pelos pescadores profissionais nos quatro meses de Piracema é para que os pescadores cuidem da família, realizem outros tipos de trabalhos "menos pescar", frisou. 

Cipama

Sobre a falta de combustível, o Cipama (Companhia Independente da Polícia Militar Ambiental) desmentiu ao Conexão Tocantins a informação. Segundo o órgão, a atuação do Cipama é rotineira e com inúmeras demandas: piracema, caça, pesca, desmatamentos, entre outros.

De acordo com o órgão, Brejinho de Nazaré e mais 13 municípios são atendidos pelo destacamento de Porto Nacional com as devidas prioridades.

Naturatins

O Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) informou ao Conexão Tocantins que a denúncia foi encaminhada para o departamento de fiscalização e assim que possível será atendida pela equipe de fiscalização do órgão.