Polí­tica

Foto: Divulgação

O presidente da Assembleia Legislativa do Tocantins, Osires Damaso (DEM), que articula para se eleger novamente para o comando da Casa de Leis, respondeu em entrevista ao Conexão Tocantins na tarde desta quinta-feira, 29, as acusações do deputado estadual José Bonifácio (PR) que o acusou de lavagem de dinheiro e ainda apontou gastos suspeitos. Damaso afirmou que as denúncias são infundadas e que Bonifácio não passará de um covarde se não for à justiça comprovar o que disse.  

“Se a acusação dele for verdadeira, pra ser lavagem de dinheiro teria que ser coisa que não tivesse licitado, ações que estivessem fraudulentas. Ele faz essa acusação, que ele prove. Ele tem obrigação como representante do povo, como representante do dinheiro público, ele tem a obrigação de ir a justiça representar e provar que estou fazendo algum ato ilícito. Se ele ficar só na fala ele não passa de um covarde, de um homem que não serve para representar o povo do seu Estado. Ele está querendo fazer acusações para justificar o fracasso dele”, alfinetou o Democrata. 

José Bonifácio juntamente com o deputado estadual José Roberto Forzani (PT), inclusive, estariam preparando documento para levar à justiça no sentido de denunciar irregularidades em pagamentos realizados por Damaso na Casa de Leis. Damaso afirmou que os deputados estão em desespero e acrescentou: “Eles fiquem à vontade. Os pagamentos que estão tendo da Assembleia foi justamente o que ficou preso no final do ano, que não tinham como pagar por falta de orçamento. Depois nós ficamos sem o Siafen (Sistema Integrado de Administração Financeira), então não tivemos como fazer os pagamentos, aí os pagamentos vieram posteriormente. Foram pagos em janeiro. Uma coisa muito natural, foi tudo muito tranquilo não tenho preocupação com isso. É uma coisa que não me tira um segundo do meu sono”, salientou o deputado. 

Os pagamentos que o deputado Osires Damaso argumenta que ficaram presos são relativos ao repasse constitucional do duodéssimo por parte do Estado para a Assembleia Legislativa para cumprimento de suas obrigações e que não foram repassados pelo executivo estadual em tempo hábil, fato que motivou um mandado de segurança por parte da Casa de Leis contra o executivo estadual. 

O presidente da Casa de Leis ainda afirmou em entrevista ao Conexão Tocantins que por estar próximo ao dia da eleição para presidência da Assembleia Legislativa - dia 1° de fevereiro - ambos deputados estão em desespero. “Uma maneira muito descarada dos dois de estar fazendo acusações infundadas. Que façam as denúncias na justiça e que provem que tem alguma ação ilícita na minha gestão. É mais uma prova da fraqueza deles. Vejo até um desespero numa proximidade de eleição”, salientou.