Polí­cia

Foto: Divulgação Detentas chegaram a colocar fogo em colchões Detentas chegaram a colocar fogo em colchões

Aconteceu neste último domingo, 8, um princípio de rebelião no Presídio Feminino de Taquaralto, segundo informou na manhã desta segunda-feira, 9, ao Conexão Tocantins a mãe de uma das detentas que prefere não se identificar. Tudo começou a partir das 17 horas, momento em que terminava as visitas no presídio. As detentas teriam queimado colchões e o motivo seria a atuação da diretoria da unidade que estaria oprimindo e humilhando as presas.

“Tudo começou na quarta-feira quando a diretora do presídio entrou dentro das celas delas, alegando, oprimindo, humilhando, ameaçando dar tiro nas presas se as presas não entregassem segueta e celulares para ela. Mas não existia isso, lá é um presídio esquecido, lá as meninas passam o dia trabalhando, fazendo tapete, elas não tem nada disso. Faz tempo que elas estão sendo oprimidas por essa diretora, ela é uma louca, ela acusa todo mundo, ela quer bater em todo mundo, não age como uma diretora. As meninas já estão é revoltadas”, afirmou a fonte ao Conexão Tocantins. A mãe da detenta não soube informar o nome completo da diretora mas afirmou se chamar Laysa. A Defesa Social não soube responder quem se trata. 

Ainda de acordo com informações da fonte, policiais masculinos entram nas celas e também humilham as presas. “Chamando elas de sapatão, falando dos esposos delas, e foi acumulando revolta e quando foi ontem fizeram tudo isso”, salientou.  

Outro ponto que pesou, segundo a mãe da detenta, foi a qualidade da comida servida para as presas. “A comida vem crua, com cabelo, com varejeira, vem uma porcaria. Eu sei porque tenho uma filha lá, tem três meses que estou frequentando e acompanhando. Elas estão sofrendo nas mãos dessa diretora”, disse.

Segundo a fonte, uma equipe de mães irá procurar auxílio nos órgãos responsáveis para que medidas sejam tomadas. “Vamos lá no Fórum, no Ministério Público, vamos em tudo. Eles (os órgãos) tem que fazer alguma coisa lá pois não tem como continuar daquele jeito”, afirmou a mãe. 

Defesa Social 

O Conexão Tocantins solicitou posicionamento da Secretaria Estadual de Defesa Social, no entanto, a Secretaria não soube se posicionar até o fechamento desta matéria se houve ou não uma rebelião no Sistema Penitenciário Feminino de Taquaralto. 

Sobre a alimentação, a Defesa Social esclareceu que a pasta está negociando débitos anteriores com a empresa responsável pelo fornecimento, visando melhorar a qualidade do que é servido.  

A Secretaria informou que havia risco iminente de curto-circuito na rede elétrica da Cadeia Pública Feminina de Taquaralto, devido à existência de “gambiarras” para utilização de aparelhos eletrônicos nas celas e que por isso, foi feito o recolhimento dos equipamentos, com o intuito de preservar às normas de segurança. Tão logo o sistema elétrico seja reparado, os equipamentos serão devolvidos às reeducandas, segundo a pasta.

A Secretaria de Defesa e Proteção Social ainda reiterou que o foco é solucionar os problemas encontrados em todo o sistema Penitenciário e Prisional do Estado, advindos da gestão anterior, visando resguardar os direitos e a dignidade da pessoa humana.