Esporte

A logomarca com a identidade visual da primeira edição dos Jogos Mundiais Indígenas, em Palmas, de 15 a 27 de setembro, foi apresentada na última sexta-feira, 27 de fevereiro, aos representantes das embaixadas de 18 países que já confirmaram presença nos jogos. A marca, em forma de um arco com três anéis, traz as cores verde representando o fortalecimento das matas, rios e nascentes; vermelho, o sangue; e marrom, a terra. Todos os anéis recebem grafismos da cultura do povo maia.

No encontro, representantes do Ministério do Esporte e do Comitê Intertribal (ITC) junto às embaixadas discutiram questões referentes à organização  dos jogos. As ações que irão nortear o mundial, bem como a confirmação de 22 países e o interesse da participação de outros, como Rússia e Mongólia, também fizeram parte da reunião.

A diretora de projetos intersetoriais da Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (Snelis), Andrea Ewerton, ressaltou que: “A realização dos Jogos Mundiais Indígenas em nosso país é um momento marcante para a história do Brasil, um momento que deixa em evidência a nossa identidade. Os Jogos de importância humanista têm a mesma relevância dos Jogos Olímpicos”, afirmou.

Segundo Hector Valente Franco, secretário municipal extraordinário dos Jogos Mundiais, a cidade de Palmas está totalmente envolvida com o evento. “Principalmente por concentrar grande população de índios, ou seja, dez etnias, sendo seis delas já confirmadas nos jogos. Estamos nos preparando para receber as 23 etnias brasileiras, e também as delegações dos 22 países. Tudo está sendo feito para que todos sejam acolhidos da melhor forma possível”, concluiu.

As ações dos Jogos Mundiais Indígenas ainda têm outras programações. No dia 23 de março, por exemplo, Marcos Terena estará presente no Fórum Permanente da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, quando fará o convite ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, para participar dos Jogos. Em abril, será realizado em Brasília o Congresso Técnico para os Jogos Mundiais Indígenas, quando serão acertados com as lideranças indígenas dos países participantes todos os detalhes. Após o congresso, os órgãos envolvidos farão o lançamento da 1ª edição dos Jogos Mundiais Indígenas, na capital federal.

O encontro contou com as presenças de Vilmar Coutinho, chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais do Ministério do Esporte; Luiz André Lobo, assessor extraordinário da Secretaria Executiva, e dos irmãos Terena, idealizadores dos Jogos. (Ascom Ministério do Esporte)