Polí­cia

Foto: Divulgação

Nesta quinta-feira, 05, o Ministério Público Estadual (MPE), por meio da 2ª Promotoria de Justiça da Capital, ofereceu denúncia em desfavor de Alan Moreira Borges, 37 anos, marido da professora Heidy Aires Leite Moreira Borges, 34 anos de idade, assassinada com golpes de faca no fim do ano passado.

Baseado no inquérito policial, o promotor de Justiça Lucídio Bandeira Dourado considerou que o denunciado agiu consciente e voluntariamente, após descobrir que a vítima estava mantendo relação amorosa com um ex-namorado. Com orgulho ferido e instinto de vingança, premeditou o assassinato de sua companheira.

Pelo crime, o Ministério Público Estadual requer que o acusado seja levado ao Tribunal do Juri Popular e que seja condenado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e utilização de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, tipificados no Artigo 121, § 2º, incisos I e IV do Código Penal Brasileiro.

Alan indiciado 

No dia 26 de fevereiro, a Polícia Civil, por intermédio da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa – DHPP, concluiu o inquérito policial que apurava as circunstâncias da morte da professora Heidy Aires Leite. De acordo com as investigações realizadas pelo delegado João Sérgio Vasconcelos Kenupp e equipe, a mulher teria sido assassinada, a golpes de faca, pelo próprio marido, o contador Alan Moreira, o qual foi indiciado por homicídio qualificado. 

Segundo apontaram as investigações, Alan planejou o crime, nos mínimos detalhes, inclusive deixando seu aparelho celular em Gurupi, enquanto se deslocava para Palmas a fim de cometer o assassinato.