Cultura

Foto: Divulgação Cena de Cena de "Os bebês roubados pela Ditadura Argentina, de Alexandre Valenti

Em 2015, o Brasil comemora 30 anos de volta à democracia, mas as marcas de 20 anos de ditadura civil-militar não devem ficar esquecidas. Com o objetivo de debater esse período marcante da história sul-americana, a Mostra Cinema pela Verdade exibe gratuitamente quatro documentários sobre o tema em universidades dos 27 estados do País. A sessão de estreia no Tocantins acontece na quinta, dia 26, às 16h, na Faculdade Católica de Tocantins, com o filme “Em Busca de Iara”, de Flávio Frederico. O calendário completo da mostra pode ser conferido na fanpage www.facebook.com/CinemaPelaVerdade.

Além desse, os outros três filmes selecionados para a mostra este ano foram: “500 – Os bebês roubados pela Ditadura Argentina”, de Alexandre Valenti; “Osvaldão”, de Vandré Fernandes, Ana Petta, Fábio Bardella e André Lorenz Micheles e “Democracia em Preto e Branco”, de Pedro Asbeg.

Após as sessões são promovidos debates com acadêmicos, pesquisadores, ex-presos políticos, pessoas ligadas a movimentos sociais, culturais e de direitos humanos, além de participações especiais de diretores ou da equipe de produção dos filmes exibidos. Toda a programação é gratuita e aberta ao público.

O pontapé para essa quarta edição aconteceu no início do mês com a capacitação de 27 universitários para atuarem como agentes mobilizadores em cada um dos estados do país. Eles serão os responsáveis por produzir e promover o projeto. Durante o encontro em um hotel fazenda em Paulo de Frontin, no interior do Rio de Janeiro, os jovens assistiram aos quatro filmes selecionados para o projeto, participaram de debates com os diretores, de palestras com membros da Comissão de Anistia, e de dinâmicas promovidas por pedagogos e professores de teatro. No Tocantins, a agente mobilizadora é a estudante de administração da Universidade Federal de Tocantins, Marina Moreira Ponce.  

Nas três edições anteriores, a Mostra Cinema pela Verdade atingiu um público de 54.728 pessoas. Foram 12 filmes exibidos em 623 sessões nas 27 unidades federativas. Ao todo, 1.124 debatedores participaram em 605 debates realizados.

Promovido pelo Instituto Cultura em Movimento (ICEM), com patrocínio do BNDES e apoio da Comissão da Anistia do Ministério da Justiça, o Cinema Pela Verdade tem como objetivo fomentar a discussão em torno da Ditadura Civil-Militar, permitindo que toda a sociedade conheça o passado e dele extraia lições para o futuro.