Saúde

Foto: Divulgação

Com a implantação da ficha de notificação compulsória para atendimento de vítimas de violência, cresceram em 111% os registros nos serviços de saúde do Tocantins nos últimos dois anos. As notificações mostram que a violência física ainda é a principal forma de agressão relatada pelas vítimas durante os atendimentos. No entanto, as agressões psicológicas e sexuais também estão entre as causas de violências registradas. 

Somente no ano de 2014, os serviços de Atenção Primária e Hospitalar registraram 4.194 casos de violência em todo o Estado. Deste total, 1.704 casos foram registrados tendo como causa a violência física. Outros 770 casos foram notificados como violência psicológica ou moral e 646 casos como violência sexual. 

Estes números revelam ainda um cenário importante. Entre todos os casos registrados no ano passado, foram notificados 1.889 casos de violência tendo a mulher como vítima, o que representa 72,1% das notificações do período. 

A responsável pela Área Técnica de Violência e Acidentes, Simone Gondim, explica que o aumento no número de registros não configura necessariamente aumento real de casos de violência. “Na verdade, os registros cresceram em função do incentivo ao acolhimento e à escuta durante o atendimento a vítimas de violência que procuram serviços de saúde”, detalha. No entanto, a técnica explica que ainda há subnotificação de casos, isto é, ainda há serviços que deixam de realizar notificações. 

Notificações 

Além do registro da natureza da violência, que inclui violências física, moral, sexual, autoprovocada, tortura, econômica, negligência ou abandono, entre outras, as notificações incluem ainda a especificação da violência de acordo com a orientação sexual das vítimas. “A proposta do detalhamento sobre a natureza da violência é obter informações mais completas para elaboração de políticas públicas de prevenção à violência, assistência às vítimas e de promoção de saúde e da cultura de paz”, acrescenta. 

Savis 

Para o atendimento a mulheres vítimas de violência, o Hospital e Maternidade Dona Regina (HMDR) disponibiliza o Serviço de Atenção Especializada às Pessoas em Situação de Violência Sexual (Savis). O Savis conta com uma equipe multiprofissional formada por médicos, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais e farmacêuticos que prestam atendimento à mulher que tenha sido violentada e não teve acesso ao serviço de atenção no período indicado e tem o direito de realizar o aborto previsto em lei. 

Confira os números registrados nos últimos três anos:

 Tipo de Violência                                         Ano

                                                         2012        2013    2014

Física                                                  945         1460       1704

Psicológica/Moral                                302         483         770

Sexual                                                 173         400         646

Lesão Autoprovocada *                        275        446          423

Tortura                                                54            65          135

Financeira/Econômica                           5             14           17

Negligência/Abandono                          83          168          166

Trabalho Infantil                                    6             4              4

Tráfico de seres humanos                      2             2            1

Intervenção legal                                 5             2            12

Outros                                                133           284        316

Total                                                 1983         3328       4194 

(Ascom Sesau)

Por: Redação

Tags: Secretaria Estadual de Saúde