Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual que representa a capital Palmas na Assembleia Legislativa do Tocantins foi a tribuna na tarde desta quarta-feira, 18, cobrar da Prefeitura de Palmas a finalização das obras do Ginásio Ayrton Sena e ainda do ginásio que fica no distrito de Taquaruçu, onde ele reside. O deputado, que apoiou o prefeito Carlos Amastha (PP) quando o pepista era um mero desconhecido dos palmenses, mostrou extratos do Portal da Transparência que comprovam que o dinheiro já saiu dos cofres públicos embora as obras não tenham sido concluídas.

“Não é só fazer limpeza e pintura de meios fios e deixar áreas esportivas largadas ou não fazer fiscalização que tem que ser feita.  O Ginásio Airton Sena e o de Taquaruçu precisam estar à disposição da comunidade! e os milhares de recursos que foram destinados!?”, questionou.

Barbosa afirmou veemente e ainda convidou deputados para verificar in loco, que as obras estão paradas e fez uma cobrança direta para o prefeito Carlos Amastha. “Estou preocupado com isso. R$ 700 mil já foram investidos no Ginásio e as obras não foram conclusas!”, disse.

O deputado afirmou ainda que já pediu oficialmente informações à Fundação Municipal de Esporte porém não recebeu nenhuma resposta.  “Porque não dá prosseguimento? Porque não cobra da empresa? Queremos que o prefeito que ora disse nos palanques que vai cobrar o IPTU e ninguém vai reclamar nos dê uma resposta”, frisou ao relembrar que foi um dos poucos políticos que apoiaram a eleição dele em 2012.  

Barbosa deixou claro ainda que levantará vários assuntos com relação à administração da capital. “Os desportistas estão reclamando da falta de espaço pra praticar esporte, não adianta só fazer governo de recuperação das vias públicas que é obrigação fazer e deixar os campos de futebol às traças”, disse. O deputado disse ainda que o ex-governador Sandoval Cardoso (SD) destinou R$ 70 milhões para obras na capital.

O deputado Paulo Mourão (PT) chegou a defender o prefeito e disse que ele faz uma das melhores gestões do Estado porém Wanderlei retrucou: "Não posso fazer vista grossa ao dinheiro público que está sendo tratado de maneira incompetente", disse.

O deputado rompeu ainda no ano passado com o prefeito da capital e sua irmã, que era secretária de Educação da capital, deixou o cargo. (Atualizada às 21h35)