Polí­tica

Foto: Divulgação Ronaldo Dimas diz que candidatura à reeleição depende de autoavaliação sobre sua gestão Ronaldo Dimas diz que candidatura à reeleição depende de autoavaliação sobre sua gestão

O prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas (PR) traçou algumas metas e perspectivas para sua gestão à frente da Prefeitura de Araguaína para este ano. Em entrevista exclusiva ao Conexão Tocantins nesta quinta-feira, 19, ele comentou sobre a administração, as relações políticas e sobre a possibilidade de buscar reeleição no próximo ano.

Cauteloso para comentar a possibilidade de reeleição, o prefeito pontuou ainda que vai depender da reforma política que está sendo analisada pelo Congresso Nacional e que pode mudar significativamente os planos políticos de muitos gestores. “Pessoalmente eu sou a favor de um mandato um pouco mais longo sem reeleição, sou a favor da unificação das eleições. Essas mudanças podem contribuir pra evolução do quadro político brasileiro”, frisou. Adepto de uma política de resultados do campo administrativo, Dimas disse que as articulações para uma possível reeleição depende de uma autoavaliação de sua gestão e ainda dos aliados.

O primeiro ponto abordado pelo gestor ao Conexão Tocantins foi com relação à avaliação de sua gestão. “Avançamos até mais do que tínhamos previsto e em outras questões não atingimos a meta, como por exemplo queríamos estar inaugurando uma escola de tempo integral o que vai acontecer só no segundo semestre. Vamos entregar pelo menos duas unidades de tempo integral”, afirmou.

O gestor afirmou ter boas perspectivas sobre as obras de responsabilidade da prefeitura que estão em andamento. “Com relação estruturação das unidades básicas da Saúde já fizemos a reforma de praticamente todas, mas tem uma que preciso concluir e meu plano é inaugurar outras sete unidades este ano, já inauguramos cinco”, frisou. Um dos problemas crônicos da cidade de Araguaína, os buracos nas vias públicas, estão sendo resolvidos conforme o gestor. “Temos um programa de recuperação e reconstrução de vias e pavimentação, já fizemos 120 km desse projeto e faremos 200 km até final do ano, temos ainda em andamento o Projeto Via Lago que vai mudar a história de lazer no nosso município bem como a entrega de 2530 unidades habitacionais e outras para os servidores públicos”, contou. Ele citou ainda o investimento de R$ 60 milhões para o aeroporto da cidade e a duplicação da TO-222.

Relação com a Câmara e deputados

O prefeito atualmente tem maioria do apoio dos vereadores da cidade, mas admitiu que está tentando ampliar a base da prefeitura. “A relação institucional foi sempre positiva, busco sempre ampliar apoios que a gente precisa para fazer gestão da melhor forma possível e não é diferente na Câmara estamos sempre abertos ao diálogo”, disse. Segundo ele, a boa relação com os vereadores, inclusive, com os da oposição, é importante para o trabalho da prefeitura e contribuiu para melhorar a autoestima da cidade que estava, conforme Dimas, abalada.

Na semana passada Dimas ampliou a base política com o ingresso do PSD e do PEN sendo assim Joaquim Quinta e o ex-deputado Raimundo Palito assumiram como secretários da gestão. O prefeito citou a aliança a nível municipal com o PMDB e disse que isso pode facilitar um suposto apoio político por parte do governo estadual no pleito de 2016. “A aliança com o PMDB é muito forte, o partido ocupa espaços importantes na gestão”, disse.

Com relação aos deputados estaduais da cidade: Jorge Frederico (SD), Valderez Castelo Branco (PP), Olyntho Neto (PSDB) e Elenil da Penha (PMDB) Dimas disse que não tem problema pessoal com ninguém, porém: “Se tem alguns que não querem ajudar Araguaína problema deles com a população”, afirmou ao Conexão Tocantins.

Ele citou que na audiência com o governador Marcelo Miranda nesta terça-feira, 17, dois deputados (Jorge Frederico e Olyntho Neto) não participaram. “Até onde vai compromisso com a cidade?”, alfinetou. O prefeito apoiou o ex-governador Sandoval Cardoso (SD) nas eleições do ano passado e questionado sobre a aproximação política com a atual gestão disse que, no momento, o importante é juntar forças em prol da cidade de Araguaína. “Nesse momento não estou preocupado com questão de aproximação política, o ano não é político pelo contrário é um ano difícil administrativamente, o que temos que fazer é somar forças. Não vamos vencer as dificuldades brigando”, defendeu.

Clima no PR

Dimas estava no comando do PR no Estado, porém este ano foi substituído pelo senador Vicentinho Alves. Alguns membros do partido já demonstraram insatisfação com a legenda atualmente, porém Dimas disse que o retorno do senador para a legenda foi acordado. “Ele foi eleito pelo PR e para o partido é muito importante alguém com mandato no Congresso à frente do partido. A força partidária está muito ligada à Brasília e abre portas demais”, disse, citando a contribuição do senador para as obras do Anel Viário na cidade de Araguaína.

Conforme Dimas no segundo semestre deste ano os partidos devem se mobilizar em busca de pretensos candidatos tendo em vista o prazo até setembro para interessados em disputar o pleito de 2016.

Desabafo sobre Sandoval

Após a campanha do ano passado Dimas chegou a entrar na justiça contra o Estado para reivindicar os repasses para a prefeitura de Araguaína. Questionado se teve algum arrependimento de ter apoiado Sandoval ele disparou: “Acreditava muito na possibilidade dele fazer uma boa gestão, mas não consegui entender as ações que foram tomadas por ele e tive que entrar na justiça para garantir o dinheiro do município, eu não poderia fazer uma descortesia dessa com quem está assumindo com relação a alguns problemas que  surgiram por parte do Estado”, pontuou.

Conforme Dimas, Sandoval deveria ter cumprido os compromissos com os companheiros. “Deveria ter cumprido com os compromissos principalmente os obrigatórios. Não dá pra deixar dinheiro da Saúde sem repassar isso não é adequado”, frisou.

O prefeito deixou claro que quer parceria com o governo do Estado até para garantir que Araguaína não perda espaço regionalmente principalmente com relação aos municípios do Pará e Maranhão. “Levamos uma agenda positiva para o governador, se o governo não nos auxiliar podemos perder muito regionalmente sucesso da gestão do governador é o sucesso da minha gestão junto. Todos os entes tem que caminhar bem”, frisou.