Meio Ambiente

Foto: Divulgação

A preocupação com a preservação do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos nunca esteve tão em alta. Atualmente, os veículos de comunicação vêm noticiando de maneira preocupante a situação do abastecimento na região Sudeste, considerada a mais rica do País. O que mais vemos são iniciativas, das mais simples às mais arrojadas na tentativa de reverter esse quadro. Enquanto isso, a pequena quantidade de chuvas, pouco contribuiu para o aumento dos reservatórios que abastecem a maior cidade do Brasil.

Para prevenir a escassez e garantir a sustentabilidade dos rios e córregos estaduais, o Governo do Tocantins, por meio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), em parceria com entidades não governamentais, está realizando o “Projeto Nascente Viva”, de recuperação e reflorestamento de nascentes em dez corpos hídricos que beneficiam comunidades tradicionais e agricultores familiares em diversas regiões do Estado.

Para o desenvolvimento do projeto, foram utilizados recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos. Cada Organização Não Governamental (ONG) ou Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) proponente de projeto ambiental recebeu o aporte financeiro na ordem de R$ 100 mil para a execução das atividades. Para este ano, a Semarh pretende ampliar os municípios beneficiados e contará inclusive com o apoio técnico do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) na execução das ações.

Atividades

Contando com um cronograma de sete a dez metas de atuações, a ação busca reflorestar áreas de nascentes que, anteriormente, estavam secas devido ao desmatamento. Três mil espécies nativas, árvores tradicionais do cerrado tocantinense como Angico, Landi, Jalapa, Baru, entre outras, estão sendo plantadas em pontos estratégicos visando à produção e ao aumento do volume de água naquelas nascentes.

Além do plantio, o projeto realizou também atividades de educação ambiental e pagamento da mão de obra local nos trabalhos realizados. De acordo com Aldo Azevedo, diretor Estadual de Recursos Hídricos, a atual gestão vem implementando ações para otimizar os investimentos financeiros utilizando a mão de obra qualificada dos técnicos do Ruraltins nos atendimentos em extensão rural em todos os municípios tocantinenses.

“Com a finalização desta etapa do projeto agora em março, vamos reestruturar as ações para aproveitar ao máximo os recursos pessoais e financeiros”, afirmou. Ainda de acordo com o diretor, reuniões com os representantes dos quatro comitês de bacias hidrográficas presentes no Estado também serão realizadas buscando um maior diálogo das ações do governo com a sociedade civil organizada.

Resgate

Na comunidade quilombola de Malhadinha, localizada no município de Brejinho de Nazaré, a 92 quilômetros de Palmas, os trabalhos de educação e pagamentos ambientais trouxeram resultados visíveis. Os moradores se mobilizaram na recuperação da nascente do córrego São Felipe, responsável pelo abastecimento hídrico de 62 famílias. No local, que antigamente era utilizado para cultivar feijão e milho e cujo solo estava praticamente seco, a preservação ambiental garantiu o retorno da água e como resultado, o terreno já está totalmente encharcado.

De acordo com o presidente da associação de moradores daquela comunidade, José Ribeiro de Souza, a consciência ambiental surgiu após os trabalhos educativos realizados pelo projeto. “Precisamos ter respeito e cuidados com a água, senão daqui a alguns anos ela vai acabar”, afirmou.