Polí­tica

Foto: Divulgação

O Partido dos Trabalhadores- PT realizou no final de semana o Encontro Macro Regional do Partido dos Trabalhadores em Guaraí e Palmas. Segundo o presidente do partido no Tocantins Júlio Cezar Brasil informou ao Conexão Tocantins nesta segunda-feira, 30, a intenção é discutir o cenário político como um todo. Participaram dos eventos lideranças estaduais além dos deputados da legenda, Paulo Mourão, José Roberto Forzani e Amália Santana, como também várias lideranças regionais, militantes, e a polução dos municípios.

Secretários estaduais que são do partido como Gleidy Braga e da Educação, Adão Francisco também marcaram presença assim como o senador Donizeti Nogueira que fez um comparativo entre o governo PT e o governo FHC, explanou sobre a Petrobras, uma renovação do sistema político, e ainda falou que os desafios que o partido está enfrentando, que já foram enfrentados anteriormente no momento de sua fundação, pois, segundo ele, sempre foi um partido perseguido.

O senador pontuou também sobre necessidade de mais espaços para a mulher na política. Segundo o senador Donizeti os assuntos citados só irão obter sucesso a partir de uma reforma profunda do sistema político, que para ser alcançada precisa de uma forte mobilização social. Donizeti ainda frisou a importância de defender a presidente e o governo que vem transformando o Brasil e diminuindo desigualdades, sobre a temática corrupção ele pontuou que nenhum governo foi tão transparente no combate e punição dos culpados.

O secretário Adão se manifestou numa rede social sobre o atual cenário político. “Sou PT, orgulhoso e incorrigível, ético e idealista, democrático e republicano. Por isso, apelo ao bom senso: Respeitem o Estado democrático de direito! Somos governo, não inventamos a corrupção, há corruptos entre nós que precisamos extirpar do partido, mas há também corruptos noutros partidos que precisam responder por seus crimes e que, no entanto, estão desconsiderados enquanto tal. Cuidado com a (des)informação midiática! Há fortes interesses econômicos por trás do discurso falso-moralista, que num passado não tão distante elegeu o senador cassado Demóstemos Torres (DEM) como o "paladino da ética", chegou a afirmar o secretário.