Saúde

Foto: Zezinha Carvalho Greicy Ravello gerente da área técnica da Sesau Greicy Ravello gerente da área técnica da Sesau

Manter a carteira de vacinação em dia parece preocupação de pai com os filhos na infância, mas esse cuidado com a saúde deve continuar durante toda a vida, é o que orienta o setor de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). De acordo com a enfermeira Greicy Rivello, na fase adulta, as vacinas complementares são fundamentais para garantir a imunidade.

“Todo adulto tem que tomar antitetânica, a vacina da hepatite B, febre amarela, tríplice viral e influenza. Algumas vacinas têm esquemas mais longos, como a Hepatite antitetânica, que são três doses. Muitas vezes, esses adultos iniciam o esquema e não concluem, e por isso não têm a imunização garantida”, ressaltou a enfermeira ao apontar que o público adulto é um dos mais difíceis de ser alcançado.

Ainda de acordo com Greicy Rivello, as vacinas são oferecidas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e manter a carteira de vacinação em dia é de fundamental importância. “Essa é a forma de manter algumas doenças imunes e preveníveis sobre controle. Sabemos que muitas crianças e adultos morriam no passado, por conta de algumas doenças, que hoje são evitadas pela vacina, então não justifica que as pessoas adultas não busquem manter sua carteira em dia”, alertou.

Atuação

Com campanhas e a articulação junto às equipes da Saúde da Família e agentes comunitários, o Estado do Tocantins sensibiliza a população dos 139 municípios a buscarem uma das salas de vacinação. De acordo com a Coordenação Estadual de Imunização, existe de uma a mais de vinte salas em cada município tocantinense. 

Atualmente, a vacinação é o procedimento que possibilita maior impacto na redução de doenças e morte. No calendário básico de imunização do Ministério da Saúde, são fornecidas 14 doses de vacinas para as diferentes faixas etárias, que são encontradas em todas as Unidades Básicas de Saúde do Tocantins.

Para alcançar um maior número de pessoas imunizadas no Estado, algumas estratégias são adotadas pela Coordenação Estadual de Imunização. “Hoje temos a central de distribuição de vacinas aqui em Palmas, que distribui a vacina para os municípios das regiões sul e sudeste e temos um polo de imunização em Araguaína, onde uma vez por mês levamos as vacinas para serem distribuídas para os municípios da região norte”, apontou a enfermeira ao ressaltar que os profissionais também participam de capacitações realizadas pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde.

Calendário de Vacinação

Logo nas primeiras horas de vida, o bebê começa o seu calendário de vacinação, com a vacina BCG para os que nascem com mais de dois quilos e a vacina contra a hepatite B, que tem a sua segunda dose administrada no primeiro mês.

A vacinação segue em atualização ao longo de toda a vida. A vacina dupla/adulto - contra tétano e difteria, por exemplo, é recomendada a cada 10 anos.