Palmas

Foto: Divulgação

Cerca de 250 famílias que ocupam desde o ano passado obras habitacionais na 1104 Sul em palmas serão despejadas pela prefeitura nesta quarta-feira, 15. Um grupo de líderes do movimento de luta pela moradia bem como moradores que estão ocupando os apartamentos manifestaram nesta segunda-feira, 14, em frente á prefeitura da capital.

Com cartazes, mulheres e até crianças ficaram em frente à prefeitura para pedir que o Paço não as retirem do local. Ao Conexão Tocantins o coordenador do MNLM, Bismarque do Movimento afirmou que as famílias lutam pelo direito à moradia.

As famílias alegam que não tem para onde ir e que não tem condições de alugar outros imóveis para morar. Durante o protesto a guarda metropolitana restringiu a entrada na prefeitura.

Um caminhão foi disponibilizado pela prefeitura para os ocupantes que quiserem deixar o local expontaneamente. A moradora e líder do movimento, Eliane Marinho da Silvachegou a dizer que se houver a desocupação o grupo vai acampar em frente à prefeitura. Conforme os líderes do movimento eles pediram á prefeitura que levem os moradores para outro local bem como pagasse aluguel social em torno de R$ 500 mas todas as propostas, segundo ele, foram negadas.

O grupo chegou a pedir à prefeitura ainda que construa um alojamento provisório com madeirite para os moradores porém a idéia também não foi aceita.

No dia 25 de março o juiz Vandré Marques da Silva, da 1ª Vara de Feitos das Fazendas e Registros Públicos de Palmas, expediu uma nova determinação de desocupação das obras com o uso da força policial e, se necessário, com o rompimento de obstáculos, visando o efetivo cumprimento da ordem judicial. A primeira liminar foi concedida ainda ano passado quando a prefeitura entrou com o pedido de reintegração de posse.

Ao todo são 221 prédios inacabados com o valor destinado para a obra de R$ 27 milhões, sendo R$ 20 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e R$ 7 milhões de contrapartida da prefeitura mas as obras estão paradas há oito anos.

Por: Redação

Tags: Bismarque do Movimento, MNLM