Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Wanderlei Barbosa (SD) apresentou um pedido de uma audiência pública na Comissão de Defesa do Consumidor para discutir com a Prefeitura de Palmas e comerciantes da Avenida JK a implantação e reclamações com relação ao estacionamento rotativo. “ Se a pessoa comprou uma roupa e não serviu ela tem que ter um tempo de tolerância para trocar sem ser cobrada por isso”, exemplificou ao cobrar o estabelecimento de um tempo de carência para a cobrança das taxas.

Segundo o deputado é precisão levar em consideração que Palmas tem uma população flutuante de 10 a 15 mil. “O objetivo do projeto do executivo não é só arrecadar e sim melhorar o fluxo nos estacionamentos. Isso incomoda os comerciantes e os usuários”, disse ao citar suposta queda nas vendas no comércio.

Foi aprovado ainda outro requerimento de Wanderlei que pede ao prefeito Carlos Amastha (PP) a alteração na lei 1861 de fevereiro de 2012 de forma a normatizar a permanência de 30 minutos para cobrança de taxa de estacionamento rotativo. Eli Borges e Olintho Neto pediram a subscrição da solicitação de Barbosa.

Além do questionamento dos deputados, a Central dos Trabalhadores do Brasil – CTB organiza um protesto na JK com relação ao assunto e cobra inclusive melhores condições de trabalho para os agentes de estacionamento.

O deputado Wanderlei voltou a fazer críticas à Prefeitura de Palmas e cobrou explicações sobre convênios. Ele pediu ainda que a Câmara de Palmas fiscalize os recursos. “Não posso acreditar que vereadores sejam coniventes com as irregularidades da gestão”, disse ao sugerir o acompanhamento do MPE e do TCE com relação aos repasses e convênios na capital.

Ele disse ainda que só vai parar de criticar a prefeitura quando não encontrar mais nenhum indício de irregularidade. “Só vou calar quando ele fizer a aplicação os recursos de maneira coerente e honesta”, afirmou.

Por: Redação

Tags: Eli Borges, Olyntho Neto, Wanderlei Barbosa