Palmas

Foto: Divulgação

O futuro valor da tarifa de transporte coletivo de Palmas anunciado pelo Executivo Municipal, que passa de R$ 2,50 para R$ 3,13, foi classificado como “abusivo” pelo vereador professor Júnior (Pros), na sessão desta terça-feira, 5, na Câmara Municipal da capital. 

O parlamentar comparou o reajuste da tarifa do transporte coletivo, que segundo ele foi de 25,2% em dois anos, com a inflação do último biênio, fixada em 12,32%. “É a quarta tarifa mais cara do País”, afirmou.  

Para ele, mesmo com o subsídio parcial da Prefeitura de Palmas no valor do transporte de R$ 0,18 centavos, em que o usuário pagará R$ 2,95 diretamente na compra da passagem, o suposto benefício será custeado pelo mesmo cidadão indiretamente, por meio do pagamento de impostos. “O questionamento é sobre a real necessidade de se fazer um aumento tão abusivo, em que o reajuste salarial da sociedade não ocorre na mesma proporção”, contestou Geo.

Júnior convidou os parlamentares da Comissão de Políticas Públicas da Casa, da qual é membro, para discutirem a questão e buscar uma solução para não ocorrer o reajuste.

Policlínica  

O vereador também protestou contra a transferência de fisioterapeutas da Policlínica da 108 Sul para o núcleo de reabilitação do Aureny III e cobrou explicações da gestão, já que a orientação do Sistema Único de Saúde (SUS) é que a equipe multidisciplinar, composta por médico, nutricionista, enfermeiro, psicólogo, nutricionista e fisioterapeuta, deve ser completa. “Não justifica o cancelamento do serviço na região Central, afinal os dois núcleos precisam da equipe multidisciplinar completa para atender a população das duas regiões”, protestou.