Campo

Foto: Divulgação  A comerciante Leidiane montou uma tapiocaria na área de alimentos da Agrotins Brasil 2015 A comerciante Leidiane montou uma tapiocaria na área de alimentos da Agrotins Brasil 2015
  • A Ruraltins possui uma unidade demonstrativa de tomate que pretende diminuir o uso de defensivos
  • O comércio de alimentos, artesanato e demonstrativo de pequenas atividades rurais também ilustram a programação da Agrotins
  •  No local está presente a tradicional paçoca de carne de sol com farinha de mandioca
  • Também é oferecido espaço na divulgação de artesanato regional confeccionado pelas etnias indígenas tocantinenses

Não só de grandes produtores, estações temáticas, oferta e venda de máquinas pesadas e linhas de financiamento para aquisição de equipamentos é composta a Agrotins Brasil 2015. Paralelo a estes espaços, o comércio de alimentos, artesanato e demonstrativo de pequenas atividades rurais também ilustram a programação deste ano.

O Pavilhão da Agricultura Familiar, uma parceria com a Prefeitura de Palmas, possui uma área destinada ao turismo rural. No local, funcionam estandes que pretendem incentivar a geração de renda por meio do aproveitamento dos atrativos naturais e da comercialização de alimentos em pequenas propriedades rurais próximas às cidades.

Segundo a extensionista rural Amanda Oliveira, a proposta é incentivar a utilização de sítios, chácaras e fazendas no fortalecimento da economia local, como também na oferta de novos postos de trabalho. “São pequenos restaurantes e propriedades com atrativos naturais para visitação, que podem facilmente ser aproveitados como forma de geração de renda”, explicou.

Inovações

Na área da transferência de tecnologia, o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) possui uma unidade demonstrativa de tomate que pretende diminuir o uso de defensivos com a utilização de um galpão coberto, protegendo a produção de fatores climáticos e pragas naturais.

De acordo com a engenheira agrônoma do Instituto, Geane Rodrigues, a proposta visa a produção de tomate das espécies cereja e santa clara, adaptáveis ao clima tocantinense. “São equipamentos que podem facilmente ser adquiridos mediante um baixo investimento financeiro ou mesmo contando com linhas simplificadas de financiamento”, afirmou.

Para o visitante Valdir Antunes, que produz diversos alimentos derivados do leite na Capital, o investimento em tomate protegido pode ser uma nova forma de renda. “Eu tenho um galpão na minha propriedade. Vendo esta unidade de tomate, achei interessante e vou pesquisar sobre como produzir”, disse.

Alimentos e bebidas

Na área de comércio de alimentos e bebidas, a vendedora de água de coco Erlene Viana da Silva confia no forte calor da região para garantir o consumo deste isotônico natural. “Todo mundo sente sede, na hora que o calor apertar, eu estarei aqui vendendo o meu produto”, afirmou. Já a empresária Irene Lopes, há 12 anos comercializa, na Agrotins, a tradicional paçoca de carne de sol com farinha de mandioca, considerada uma das principais comidas típicas da culinária tocantinense. “Tem gente que vem aqui e compra até para mandar para outros estados”, comemorou.

Quem também decidiu inovar na oferta de guloseimas regionais foi a comerciante Leidiane Souza Castro, que montou uma tapiocaria na área de alimentos da Agrotins Brasil 2015. “Estamos, pela primeira vez, aqui na Agrotins e oferecendo sete opções de recheio, entre salgados e doces. Nossa expectativa é muito boa, porque quase todo mundo gosta de comer uma tapioca recheada”, garantiu.

Artesanato

A Agrotins Brasil 2015 também oferece espaço na divulgação de artesanato regional confeccionado pelas etnias indígenas tocantinenses. Contando com um estande no Pavilhão da Agricultura Familiar, o rico artesanato produzido pelas comunidades tradicionais é apreciado e comercializado. De acordo com Siewe Xerente, líder indigenista de uma aldeia próxima da Capital, a parceria com o Ruraltins favorece a divulgação e a comercialização dos produtos oriundos das comunidades. “Podemos vender nosso artesanato e também dialogar com os visitantes sobre a importância das comunidades indígenas do Tocantins”, relatou.

Realização

A Agrotins Brasil 2015 é promovida pelo Governo do Estado do Tocantins, por meio da Seagro e vinculadas, Agência da Defesa Agropecuária (Adapec), Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), Instituto de Terras do Tocantins (Itertins) e apoio de instituições financeiras e entidades de classe ligadas ao setor produtivo.

Por: Redação

Tags: Agrotins, campo