Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado Eduardo Siqueira Campos (PTB) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa do Tocantins e participou do debate sobre a afirmação do atual secretário de Saúde do Estado, Samuel Bonilha, durante audiência pública realizada na última terça-feira, 5, em que o Secretário afirmou que parte dos recursos destinados à infraestrutura dos hospitais foi remanejado para outras obras.

Eduardo Siqueira relembrou o debate com os 139 prefeitos da época e com a ministra Ideli Salvati, que os Estados que não sediariam a Copa do Mundo também necessitariam de obras de infraestrutura e, a partir daí, foram criados e aprovados projetos de financiamento para o Estado.

O deputado relatou que destes projetos resultaram a destinação de 139 novas ambulâncias, uma para cada município, no maior investimento feito no Brasil para o Corpo de Bombeiros, dotando a corporação da maior escada Magirus do País e também unidades de resgate nas cidades às margens da BR-153. O Parlamentar destacou ainda que também foram encaminhados recursos para obras de interligação de cidades.  

Ainda oriundo destes financiamentos, Eduardo Siqueira relembrou que parte destes recursos foi destinada para a infraestrutura dos hospitais do Estado, inclusive a ampliação do Hospital Geral de Palmas, cuja obra foi iniciada em 2014. “O Tocantins ficou 10 anos sem construir um leito de hospital e a nossa população cresceu. Tive a oportunidade de participar deste planejamento”, afirmou o deputado.

Ao comentar a afirmação do secretário Samuel Bonilha, Eduardo Siqueira afirmou que: “O Banco do Brasil não aceita obra inacabada, mas se houve essa alteração na destinação dos recursos é possível que tenha havido autorização do Banco”.  Por isso, o parlamentar subscreveu requerimento do deputado Olyntho Neto (PSDB) em que solicita informações sobre esses financiamentos, se houve autorização para mudança na destinação destes recursos e qual o seu valor. “É fundamental que a Assembleia Legislativa promova o debate com a sociedade sobre a continuidade das obras”, finalizou.