Polí­tica

Foto: Divulgação

O deputado estadual Elenil da Penha (PMDB) defendeu na sessão ordinária desta quarta-feira, 12, na Assembleia Legislativa (AL), uma resposta imediata do poder público para os casos de violência em Araguaína. O parlamentar citou o caso da unidade do “É Pra Já” no município, que já foi assaltada várias vezes. “A violência tem atingido níveis alarmantes. Cada vez mais, o cidadão de bem tem se tornado refém da criminalidade. Recentemente, li, nas redes sociais, o desabafo de uma servidora do “É Pra Já”, em Araguaína. A unidade, segundo ela, já foi roubada pelo menos cinco vezes. O alvo é sempre o correspondente do Banco do Brasil, que fica no prédio. O sentimento de insegurança dessa servidora é comum a todos os araguainenses”, afirmou o parlamentar, em discurso feito na tribuna da Casa.

Elenil pediu que o policiamento da unidade seja reforçado, a fim de evitar novas ações criminosas no local. “Os servidores do “É Pra Já” estão assustados, temerosos de que possam ser, mais uma vez, vítimas de assaltantes. Precisamos tomar providências. Primeiro, temos que saber qual a estratégia de segurança adotada pela unidade. Depois, analisar o que pode ser feito para melhorá-la. O que não podemos é deixar que os funcionários do órgão e as centenas de pessoas que são atendidas por ele convivam com o medo de, qualquer hora, estarem sob a mira de criminosos”, explicou o deputado.

Ainda durante o seu pronunciamento, Elenil lembrou que a maioria dos casos de violência tem relação com o tráfico de drogas e, por isso, é fundamental que as instituições trabalhem juntas para combatê-lo. “A maioria dos assassinatos ocorridos em Araguaína tem ligação com o tráfico de entorpecentes. Pessoas estão morrendo e matando por causa do vício, do lucro com a venda de drogas e pela disputa por pontos. E eles são muitos e estão espalhados por vários pontos da cidade. A Feirinha, o mais famoso deles, é uma das regiões mais violentas do município. Não podemos fechar os olhos para essa realidade. O poder público precisa agir, resgatando os jovens do mundo das drogas, impedindo que eles sigam por este caminho. É preciso também prender os grandes traficantes, desmontar as quadrilhas que lucram milhões com a comercialização de substâncias ilícitas e enfraquecer o crime organizado. E, para isso, claro, temos que investir nas nossas polícias, dar a elas condições para desempenhar o seu trabalho de forma eficiente”, finalizou o deputado.