Campo

Foto: Divulgação

Os produtores rurais já começaram a comprovar a vacinação contra a febre aftosa. “Não deixo para última hora, já vacinei o meu rebanho e já está prevenido contra a febre aftosa, raiva e botulismo”, afirmou o pecuarista da Fazenda Mãe Maria, localizada em Palmas, Waldemir Justino Mendes, de 49 anos. Aproveitando a presença do produtor, a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) está atualizando o cadastro de criatório de suídeos e realizando o recadastramento das propriedades rurais circunvizinhas do declarante .

O Tocantins conta com 55 mil produtores rurais cadastrados com bovídeos (bovinos e bubalinos) que somam um rebanho de 8.116.581. “A comprovação da vacina é de suma importância para a defesa sanitária, pois é também utilizada para atualização cadastral do produtor no nosso banco de dados”, ressalta o presidente da Adapec, Humberto Camelo.

A primeira etapa da campanha iniciou-se dia 1º e segue até o dia 31 de maio, a declaração da vacinação deve ser feita até 10 dias após a compra da vacina, na unidade da Agência onde a ficha cadastral é movimentada, munido da nota fiscal e da carta-aviso com os dados dos rebanhos criados na propriedade, além de bovinos, ovinos, aves, entre outros. “A Guia de Trânsito Animal (GTA), obrigatória para o transporte de animais, está condicionada a declaração da vacinação. No caso de omissão, o produtor poderá ser multado, ter sua ficha bloqueada e impedido de movimentar o rebanho”, disse a responsável pelo Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa, Regina Barbosa.

Cadastramento

O recadastramento de vizinhos confrontantes de cada propriedade rural existente tem o objetivo de agilizar ações, numa eventual necessidade, de investigação epidemiológica, além de possibilitar mais precisão em torno de um possível foco de doenças de notificação obrigatória. “Cada propriedade rural tem uma coordenada geográfica cadastrada no nosso sistema, que com a atualização desses dados, poderemos conhecer os vizinhos de norte a sul e de leste a oeste”, explica o fiscal agropecuário da Adapec, Allan Rodrigues Malta.

Já o cadastramento de criatório de suídeos visa obter ainda mais informações sobre a atividade em relação ao manejo correto dos animais e as instalações, tipo de alimentação, entre outros. Além disso, colabora com a manutenção do status sanitário livre da Peste Suína Clássica e fortalece o pleito do Estado ao reconhecimento internacional livre da doença.