Estado

Foto: Divulgação

A Diretoria do Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores do Estado do Tocantins – Sojusto foi recebido, na tarde desta quinta-feira (14),  pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins - TJTO, desembargador Ronaldo Eurípedes. A reunião, solicitada pelo Sindicato, serviu para tratar dos interesses da classe, tendo em vista as várias especulações com relação a extinção de cargo, mudanças de nomenclatura, escolaridade e demais intervenções que prejudicariam a carreira do oficial de justiça.   

O Presidente do Sojusto, Roberto Faustino, expôs a preocupação da entidade e dos Oficiais de Justiça não só com a sobrecarga de trabalho por eles prestado à sociedade, mas também com a qualidade, defendendo a manutenção dos direito conquistados a duras penas por todos e após anos de lutas, como a exigência de nível superior em Direito para ingresso no cargo. Durante a reunião  o presidente do TJTO garantiu que, “nenhum direito dos Oficiais de Justiça será preterido ou mexido, o que se está começando a analisar é uma adequação à nova realidade do Judiciário Tocantinense face a breve virtualização total dos processos judiciais no Estado. Algumas funções e atribuições já estão superadas e alguns servidores precisam ser mais bem aproveitados”.

Todos os oficiais presentes na reunião tiveram a oportunidade de se manifestarem. Eliane Jácome, de Porto Nacional, defendeu a manutenção da nomenclatura dos oficiais de justiça. "É o servidor que leva às partes os resultados processuais", afirmou a oficiala, que  reconhecendo ainda a sabedoria do presidente do TJ para não mudar esta nomenclatura, que existe deste os tempos bíblicos, lembrando do personagem bíblico Salomão.

As oficialas de justiça de Araguaína, Maria Niraci, Suzyvanie Vinhadeli e Lidianny Cristina reiteraram as dificuldades pelas quais passam na Comarca, estando uma situação insuportável em virtude da quantidade de trabalho. O desembargador Ronaldo Eurípedes  se mostrou sensibilizado com as dificuldades enfrentadas na Comarca e afirmou que está empreendendo todos os esforços para, o mais breve possível, minimizar as problemáticas apresentadas, se comprometendo inclusive em falar com os magistrados de Araguaína.

Representando a Comarca de Dianópolis, o oficialJurceles de Melo falou sobre o novo processo de avaliação, apresentado recentemente pelo TJ aos magistrados, para medir a produtividade dos servidores. A metodologia que será usada dificilmente refletirá a realidade do trabalho dos oficiais de justiça, gerando até mesmo constrangimentos. O Sindicato ressaltou que apóia o sistema de avaliação, mas é preciso  que o mesmo passe por adequações.

Faustino ainda requereu ao presidente que os oficiais de justiça sejam ouvidos e envolvidos diretamente, por meio de sua entidade representativa, em todos os processos que tratem dessas mudanças, desde as discussões, e que todos tenham conhecimento das propostas eventualmente tratadas.

Em um clima descontraído e cortês, o desembargador Ronaldo Eurípedes, ouviu atentamente  todos as demandas apresentadas  e pediu aos oficiais de justiça o apoio neste momento de mudanças, garantindo que os mesmos podem ficar tranquilos, que seus direitos jamais serão desrespeitados.