Palmas

Foto: Divulgação

O ex-deputado e presidente estadual do PV, Marcelo Lelis é mais um entrevistado da Série Palmas 26 anos do site Conexão Tocantins.

Lelis participou da história de Palmas e após iniciar sua carreira profissional em Goiânia, chefiando o viveiro da Superintendência de Parques e Jardins daquela Capital, veio para Palmas onde trabalhou no paisagismo urbano e inspirou a concepção do Projeto Amigos do Meio Ambiente (AMA), implantado em Palmas e reconhecido nacionalmente com o prêmio “Itaú Unicef”.

Junto com seu pai, Airton Lelis, o ex-deputado é pioneiro na área de implantação de parques e jardins em Palmas. Em 2001, assumiu a presidência da Agência de Meio Ambiente e Turismo (Amatur), implantando o projeto de turismo para a Capital tocantinense e para o distrito de Taquaruçu. Ele já foi vereador da capital e tentou duas vezes ser prefeito porém não venceu as eleições. Nesta entrevista Lelis fala de mudanças necessárias na capital  e releva que administrar Palmas é um dos seus sonhos:"Palmas é grande, seu povo mais ainda, com respeito às pessoas e humildade, vamos trabalhar para tornar esse sonho uma realidade", disse.

Veja abaixo a íntegra da entrevista.

Conexão Tocantins - Lelis, administrar Palmas sempre foi um sonho seu? Por quê?

Marcelo Lelis - Sempre tive uma relação muito especial com Palmas. Vivi aqui a maior parte de minha vida e vi a cidade crescer. Acompanhei cada passo importante da cidade e muitas vezes fiz parte desses passos, trabalhando por 12 anos como secretário de Meio Ambiente e Turismo da Prefeitura, em meu mandato de vereador da Capital e meus dois mandatos de deputado estadual. Palmas é minha cidade e por isso sempre dediquei meu trabalho para fazer com que nossa cidade seja cada vez melhor. As duas eleições para prefeito que disputei contribuíram muito para o meu amadurecimento político e pessoal. Esse aprendizado só reforça o desejo de contribuir não em um projeto pessoal, mas sim em um projeto construído junto com todos os palmenses, capaz de retribuir a Palmas tudo aquilo que ela tem proporcionado a todos nós. Palmas é grande, seu povo mais ainda, com respeito às pessoas e humildade, vamos trabalhar para tornar esse sonho uma realidade.

CT – O senhor disputou duas vezes a prefeitura e não ganhou, porém ainda assim sempre teve uma ligação com a capital. O senhor pretende disputar pela terceira vez?

M.L - Estou e estarei sempre pronto para contribuir com nossa cidade e dar o meu melhor para que Palmas alcance o desenvolvimento que merece. Como homem público e presidente estadual do Partido Verde, tenho que me preocupar com o progresso de todo Estado, como fizemos em 2014 quando percorremos todo o Tocantins com o Movimento por uma Alternativa de Mudança, propondo uma maneira diferente de fazer política no Estado. Nosso projeto deu certo e hoje o PV elegeu a vice-governadora Cláudia Lelis. Agora o PV está focado em propor a mesma mudança para os municípios do Estado, com o Movimento por uma Atitude de Cidadania, fortalecendo os diretórios municipais do partido e estimulando pessoas que tenham o compromisso com a mudança de se candidatarem em seus municípios. E Palmas terá uma função importante nesse processo, pois é a referência para as cidades do Tocantins. O Movimento por uma Atitude de Cidadania do PV também estará em Palmas, identificando aquele que realmente quer fazer a diferença para a nossa cidade e trazendo essas pessoas para o partido, para compor nosso time. Quando se fala no PV de eleição em Palmas, logo citam meu nome, por ter a identificação e trabalho prestado à cidade. Se meu nome for o escolhido dentro do meu grupo político, estarei pronto para disputa. Não vou me omitir quando o assunto é a cidade de Palmas. Fiz isso minha vida inteira e continuarei fazendo quando for necessário.

 CT-  O senhor pretende ser o candidato do grupo do governo no próximo ano?

M.L -  O PV é da base do governador Marcelo Miranda (PMDB) não só por ter a vice-governadora Cláudia Lelis, mas por entender que o governador Marcelo Miranda é a pessoa que fará a verdadeira transformação que o Tocantins precisa. Temos confiança no nosso governador e estamos 100% com ele. Sobre a eleição de 2016, há ainda muita coisa a acontecer. O PV participará ativamente da eleição. Se o PV tiver candidato próprio para a eleição de 2016 em Palmas, vamos trabalhar o apoio do governador, que é uma liderança muito forte em nosso Estado, mas sei que isso depende de uma grande articulação também com os partidos da base do Governo. Mas no momento certo trabalharemos para construir essa articulação.

 CT – Como o senhor avalia a atual gestão de Palmas?

 M.L - A população elegeu o atual prefeito pensando que ele representasse algo novo para a política, mas o que se vê hoje é o contrário. Ele tem as mesmas práticas autoritárias e antidemocráticas, práticas das mais antigas da política. Não respeita as pessoas. Age com rancor e ódio com aqueles que questionam seus atos como prefeito. Ele tem que entender que, como prefeito, ele tem que prestar conta com a sociedade. Mas o desrespeito não é só com a classe política, é também com o povo, quando derruba igrejas sem qualquer aviso, quando retira sem-teto de prédios públicos sem qualquer auxílio, quando aumenta impostos e passagens de ônibus, mesmo tendo defendido o contrário, quando cria um estacionamento rotativo no comércio sem consultar os empresários. O tempo da ditadura se acabou no Tocantins e a população já está cansada de desrespeito. O atual prefeito está mais preocupado em aumentar a arrecadação da prefeitura, mas não vemos onde esse dinheiro é investido. Decoração de Natal e de Páscoa não é a solução para as pessoas que estão sofrendo nos postos de saúde, com a falta de infraestrutura nas ruas, com a insegurança na cidade. A população não quer um cobrador de impostos, quer ver sua vida melhorar e isso não estamos vendo em Palmas. O político não pode prometer na campanha e não cumprir no governo. Houve muitas promessas que não foram e não estão sendo cumpridas, nós não fazemos oposição irresponsável, deixamos o prefeito trabalhar, mas já se passaram 2 anos e meio e o que vemos é uma gestão que tem como principal marca a cobrança e o aumento de impostos, uma gestão que não cuida e que não respeita as pessoas, uma gestão que doa R$ 15 mil de salário e gasta mais de 300 mil de passagens aéreas para o exterior. Nós demos o tempo suficiente para a atual gestão cumprir o que prometeu na campanha, agora queremos saber por que não cumpriu e onde está o dinheiro arrecadado em 2 anos e meio de gestão, a maquiagem derreteu, o povo acordou e está vendo que foram enganados, basta perguntar para os moradores do Taquari que eles saberão dizer qual o sentimento que tem hoje do atual gestor e atual gestão.

 CT – Quais as principais mudanças que o senhor defende para a capital atualmente? Em quais áreas?

 M.L - A saúde precisa melhorar. É nítido isso quando vimos a reclamação tanto da população quanto a classe médica. Falta estrutura nos postos de saúde, faltam médicos, remédios e um atendimento humanizado. O prefeito conhecia o problema da saúde de Palmas quando foi eleito e nada tem feito para resolver. A saúde precisa de uma gestão competente e comprometida com o atendimento à população. Outro problema na cidade é o aumento de impostos. Tem morador de Palmas pagando IPTU caro sem sequer ter asfalto na porta de casa. Vemos famílias carentes passarem dificuldades porque não têm dinheiro para pagar o IPTU. Empresários também estão em dificuldade por causa do aumento de impostos municipais. A prefeitura não tem uma política de fomento da economia e de atração de novas empresas para a cidade. A iniciativa privada está fazendo muito bem a sua parte, mas a gestão municipal não se planejou para fazer a parte que compete à prefeitura.

 CT – O PV pretende fazer alguma ação nos bairros de Palmas preparatória para as eleições do próximo ano?

 M.L - O PV está percorrendo os municípios tocantinenses com o movimento por uma Atitude de Cidadania, fazendo o trabalho de filiação de novas lideranças e fortalecimento do partido, preocupado em estimular que lideranças políticas que estejam comprometidas com uma maneira nova de fazer política participem do processo eleitoral. Em Palmas não será diferente. Vamos fazer encontros pelos diversos setores da cidade, conversando com a população e provocando o palmense a dar sua contribuição. O PV entende que participar do processo político com uma proposta inovadora é um ato de cidadania. E essa é a intenção do PV, apresentar aos municípios um projeto novo, para que a mudança aconteça também nas cidades, assim como aconteceu no Estado com a eleição do governador Marcelo Miranda.

 CT – Na sua opinião quais são os principais desafios da capital para os próximos anos?

 M.L - Palmas é a mais nova capital no Brasil, aqui existem sonhos e oportunidades. O principal desafio é fazer com que Palmas assuma o papel de ser uma cidade onde as pessoas tenham oportunidades para trabalhar, ter sua casa própria, lazer, uma saúde capaz de atender a população que precisa, educação para todos, cultura e políticas públicas que promovam a cidadania na vida das pessoas, fortalecer o comércio e serviços, fomentar o turismo e a industrialização. É preciso acabar com o sofrimento da população pelo mau atendimento na rede de saúde municipal. Outro ponto muito importante é implantar um projeto de desenvolvimento econômico para a cidade, estimulando a atração de novas empresas, gerando emprego e aumentando a renda do trabalhador. A cidade também precisa melhorar sua infraestrutura. Existem setores de Palmas que estão desassistidos há anos e até hoje nada foi feito. A política de arrecadação da prefeitura também precisa ser revista. Não se pode criar a política do cobrador de impostos sem que haja uma análise do impacto disso para a população e a classe empresarial. Palmas precisa urgente de um planejamento capaz de apontar soluções para os seus problemas e que potencialize o seu desenvolvimento econômico e sustentável. Precisamos inovar na gestão. Sem planejamento não existe possibilidade de acerto. É necessário construir um plano de desenvolvimento para Palmas. A nossa cidade não pode ser administrada pelo improviso como está sendo hoje. Eu encerro deixando uma pergunta: Alguém sabe qual o planejamento que a atual gestão apresenta para a nossa cidade?

 *O Especial Palmas 26 anos traz entrevistas com políticos, lideranças e pioneiros da capital.

Veja aqui todas as matérias do Especial Palmas 26 anos