Polí­tica

Foto: Divulgação

Vários líderes religiosos estão com uma campanha e movimentação contra a ideologia de gênero. Na esfera política, representantes religiosos começaram a tratar o assunto. Os irmãos Borges, por exemplo, deputado estadual Eli Borges (Pros) e vereador em Palmas, Joel Borges (PMDB), manifestam-se contrários a conteúdo sobre ideologia de gêneros nas escolas.

Em sessão na Câmara de Palmas na manhã desta quarta-feira, 03, o vereador Joel Borges (PMDB) levantou a discussão quanto à inserção de conteúdo sobre ideologia de gêneros nas escolas. O vereador teceu críticas aos planos Estadual e Municipal de Educação, atualmente em fase de elaboração, por contemplarem artigos defendendo o debate sobre diversidade sexual na rede de ensino. O vereador chegou chegou a pedir aos colegas parlamentares iniciativas para que o plano não seja aprovado nos municípios. "Pedir aos vereadores que tem acesso a outras câmaras, que vamos buscar que esse plano não seja aprovado nos municípios, vamos conversar com os parlamentares", afirmou. 

Para Joel Borges, a dignidade humana precisa ser respeitada em qualquer esfera, especialmente no âmbito da família. Por isso, acredita que a inclusão do tema nas escolas pode influenciar crianças e adolescentes, transformando “as escolas em fábricas de pessoas versáteis sexualmente”, assim disse na sessão. 

Joel Borges defendeu que as escolha são individuais e que não pode aceitar que imponham o que não concorda. "Não concordo e não vou me calar como cristão de defender a família tradicional. As pessoas e suas escolhas não compete a mim condena-las, o que a gente não consegue admitir é imposição. Eu não posso aceitar que você impõe que eu seja igual a você e que faça o que você quer”, defendeu. 

Joel Borges recebeu o apoio do vereador Pastor João Campos (PSC) que enfatizou que o artigo que trata da diversidade de gênero foi retirado do Plano Nacional de Educação, aprovado recentemente no Congresso Nacional.

Eli Borges 

O deputado Eli Borges (Pros), manifestou na sessão de ontem, 2 de junho, na Assembleia Legislativa insatisfação com a questão. "Contrário que segmento organizado organizado da sociedade faça de sua pretensão material didático em livro de escola. Faça de sua pretensão uma doutrinação em sala de aula, só isso!. Mas haverá um debate oportunamente sobre isso e eu vou trazer e os senhores (outros deputados) ficaram estarrecidos e irão perceber se nesse deputado tem homofobia ou se não tem. O que está tendo mesmo no Brasil é a heterofobia", afirmou. 

O deputado Eli Borges posicionou que nunca deixou de respeitar segmento da sociedade e acrescentou: Ocorre que eu faço todo o meu debate com respeito, porém, de lá pra cá vem chumbo grosso, tiro de canhão e alguém usando umas palavrinhas mágicas para intimidar: Homofobia, discriminação, preconceito. Eu vou trazer números e irão perceber que não tem isso, esse deputado respeita e atende dezenas de pessoas sem perguntar o que fazem detrás das quatro paredes, só pedindo uma coisa, querem fazer do jeito que querem continuem fazendo na intimidade", frisou. 

Eli Borges é conhecido por suas posições conservadoras na Assembleia Legislativa. Ele já chegou propor e Assembleia Legislativa à aprovar, moção de repúdio por beijo gay em novela da TV Anhanguera/ Rede Globo. Na época, em protesto pelo ato, um movimento LGBT organizou manifestação na Casa de Leis. Denominado de "Beijaço", o movimento protagonizou inúmeros beijos gays na AL.

Uma cartilha com posicionamento religioso com relação à ideologia de gênero está sendo distribuída em vários locais e até nos Hospitais.